Déficit da balança comercial do setor eletroeletrônico atinge US$ 16 bilhões


Nos seis primeiros meses de 2012, o déficit da balança comercial de produtos do setor eletroeletrônico atingiu US$ 16,16 bilhões, 3% acima do registrado no mesmo período de 2011 (US$ 15,71 bilhões), informa a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). Segundo a entidade, este saldo negativo foi consequência de exportações de US$ 3,74 bilhões e importações de US$ 19,9 bilhões. A queda na exportação de celulares no período foi de 42%.
 

Um dos destaques da balança foi a queda das exportações para a Argentina, de 49% no caso dos celulares. Segundo os dados, apenas as vendas de bens de Automação Industrial (+12,5%) para aquele país não recuaram no 1º semestre deste ano. As demais áreas apontaram quedas significativas, atingindo retrações superiores a 65%, nos casos de Telecomunicações e Utilidades Domésticas.  

Segundo a Abinee, a queda das vendas de aparelhos celulares para a Argentina foi tão expressiva, que mesmo os crescimentos significativos para o Chile, Estados Unidos, Colômbia e Peru, com taxas superiores a 100%, não foram suficientes para compensar essa retração.

Ainda referente aos telefones celulares, a entidade constatou maior concentração nos destinos das exportações. No 1º semestre do ano passado, os dez principais destinos representaram 95% do total, enquanto que no 1º semestre deste ano, estes dez principais destinos alcançaram 99%.

– Em função da forte queda das vendas externas de telefones celulares, que também recuaram para outros destinos, como Equador (-26%), Uruguai (-69%), México (-55%), Paraguai (-43%), entre outros, a liderança das exportações de produtos do setor eletroeletrônico passou para os componentes para equipamentos industriais (US$ 436 milhões), eletrônica embarcada (US$ 395 milhões), motores e geradores (US$ 389 milhões) e motocompressores herméticos (US$ 347 milhões), ficando os celulares na 5ª posição, após permanecer muitos anos em 1º lugar, destacou a associação.(Da redação).

 

Anterior GVT amplia cobertura com expansões na grande São Paulo e no Mato Grosso
Próximos Programadores brasileiros esperam posição firme da Ancine