Decisão da Anatel impede a concentração no mercado de banda larga


O ex-conselheiro do Cade e professor da Fundação Getúlio Vargas, Arthur Barrionuevo, aplaudiu a decisão tomada ontem pela Anatel, que vetou a compra da operadora de TV a cabo Way TV pela Telemar/Oi. Para ele, não é o mercado de TV por assinatura que está em questão, mas sim o mercado de banda larga. "A …

O ex-conselheiro do Cade e professor da Fundação Getúlio Vargas, Arthur Barrionuevo, aplaudiu a decisão tomada ontem pela Anatel, que vetou a compra da operadora de TV a cabo Way TV pela Telemar/Oi. Para ele, não é o mercado de TV por assinatura que está em questão, mas sim o mercado de banda larga. "A competição entre plataformas é que pode promover a ampliação da oferta de banda larga," afirmou, durante o 9º Encontro Tele.Síntese.

Barrionuevo assinalou que, na Europa, estimula-se a disputa entre os operadores de TV a cabo e os operadores de telecomunicações e, mesmo assim, as incumbents européias possuem 62% do mercado de banda larga, contra 30% das operadoras de cabo (os demais acessos são feitos por outras tecnologias). "No Brasil, a situação é ainda mais grave, pois 78% da oferta de banda larga estão nas mãos das concessionárias de telecomunicações," afirmou. Para ele, as telcos devem prestar o serviço convergente com o apoio de suas próprias redes – com oferta de IPTV – ou, se quiserem ingressar no mercado de TV por assinatura, devem adquirir licenças de DTH (TV por satélite).

Anterior Convergência: caminho irreversível para as sociedades.
Próximos BrT: é chegada a hora da convergência de operadoras.