Dataprev fecha 2018 com alta de 10,16% do lucro líquido


Candidata a ser privatizada, a Dataprev fechou 2018 com lucro líquido de R$ 150,6 mil, resultado 10,16% maior que no ano anterior de R$ 136,7 mil. O aumento de 2,94% na receita operacional bruta que totalizou R$ 1,5 milhão, a queda das despesas operacionais em 7,47% e também da redução de 50,57% em outros resultados operacionais contribuíram para o desempenho da estatal.

A rentabilidade do patrimônio líquido (RPL) da Dataprev foi de 13,4% com Ebitda de R$ 260 milhões demonstrando a capacidade de geração de caixa com recursos próprios. O total de impostos e contribuições reconhecidos neste exercício foi de R$ 353 milhões. O lucro auferido nesse exercício permitiu a destinação de parte do resultado aos acionistas, no montante de R$ 36 milhões – considerando os Juros Sobre Capital Próprio, e gerou benefícios fiscais em torno de R$ 15 milhões.

Em 2018, os investimentos tiveram um volumoso crescimento, passando de discretos R$ 13,0 milhões para R$ 182,3. Na série histórica dos últimos 12 anos, só houve superação desse volume nos exercícios de 2009 e 2013. O maior investimento foi com Solução Integrada (SOC), representando R$ 38,4 milhões.

Guardiã há 44 anos dos dados sociais brasileiros, a empresa processa o pagamento mensal de cerca de 35 milhões de benefícios previdenciários. Mas também atende a outras áreas do governo, como a trabalhista e o GovData. A Dataprev ainda desenvolveu um novo serviço de troca de informações da base de cadastro dos CPFs baseado na tecnologia Blockchain. A solução bCPF (Blockchain do Cadastro de Pessoas Físicas) foi desenvolvida para a Receita Federal e busca simplificar o processo de disponibilização desta base de dados, com mecanismos seguros, integrados e eficientes.

Anterior Parks faz parceria com empresa indiana para lançar soluções de rede óptica
Próximos Decisão sobre presença da Huawei no Brasil será tomada com base em fatos, diz Pontes

1 Comment

  1. Edvaldo
    10 de Março de 2019

    Daí o ministro, que não sabe nada do que é feito dentro da empresa, diz que todas as estatais estão drogadas.

    Quero ver um conjunto de empresas privadas fazer os serviços que a Dataprev estando com pagamentos atrasados por parte do INSS há mais de 24 meses.

    Toda generalização é burra. Existem estatais que não tem razão de existir, como por exemplo a Petrobrás, que logo perderá valor com a substituição de combustíveis fósseis por outras alternativas.