Telebras vai prover internet para a Dataprev


shutterstock_Niyazz_nuvem_datacenterA Telebras será a responsável por conectar os data centers da Dataprev à internet. As duas empresas firmaram a parceria nesta sexta-feira, 15, em Brasília (DF). O contrato, no valor de R$ 2,1 milhões, é o primeiro firmado entre as empresas, que conversam desde o ano passado sobre formas de aprofundar o relacionamento.

“É um primeiro passo na direção da convergência de competências, uma diretriz que fortalece a capacidade e o papel das duas empresas no atendimento às demandas das políticas públicas e do cidadão”, afirmou o presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção.

“No futuro, esperamos utilizar os serviços de tecnologia da informação da Dataprev e, por meio dessa aliança, prestar serviços de qualidade e amplitude cada vez maiores para a população brasileira”, diz o presidente da Telebras, Jorge Bittar.

O acordo de acesso à internet traz integrada uma solução contra ataques de negação de serviço, conhecidos como DDoS. A Telebras fica encarregada de detectar tentativas de ataques massivos, destinados a causar sobrecarga no acesso, e as bloqueia.

Atualmente, a Dataprev conta com dois links de comunicação para internet em cada um dos três datas centers, nos quais a prevenção a ataques DDoS é feita por firewalls instalados pela própria empresa. Um desses circuitos, em cada data center, será substituído pelo da Telebras, com bandas de 500 Megabits por segundo – no Data Center Distrito Federal (DCDF) e no Data Center Rio de Janeiro (DCRJ) –, e com 300 Mbps no Data Center São Paulo (DCSP).

O contrato com a Telebras tem prazo de 12 meses, renovável por mais um ano. Além de maior colaboração entre as duas empresas, a parceria levou em conta o Decreto 8.135/2013, segundo o qual serviços de telecomunicações e de tecnologia da informação de órgãos ligados à administração pública federal direta, autárquica e fundacional devem ser prestados por meio de redes e serviços fornecidos por entidades da própria administração pública.

“Somos uma empresa de telecomunicações que tem se preparado para prestar serviços e atender aos requisitos do Decreto 8135/13, que estabelece a necessidade de redes seguras de governo”, destacou Bittar. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Operadoras móveis desligaram 28,9 milhões de chips desde maio de 2015
Próximos Ações da Level3 tiveram forte alta, com "rumores" de venda