Datacom fornece modem ADSL para a Telefônica


Com o contrato firmado com a Telefônica Vivo para o fornecimento de modems ADSL, a produção de equipamentos/mês da Datacom passou, a partir de setembro deste ano, de 25 mil para 75 mil. O reflexo nas receitas será de um aumento de 7,8% em 2013, de R$ 200 milhões para R$ 215 milhões. Mas, segundo Antônio Carlos Pôrto, a projeção é atingir faturamento de R$ 250 milhões, em 2014.
 

“Nós fabricávamos outros tipos de modems, mas não ADSL. Vimos aí uma boa oportunidade de mercado e fechamos com a Telefônica”, conta Pôrto. Fabricante nacional de switches, multiplexadores, equipamentos SDH, além da linha de modems, a Datacom investiu R$ 45 milhões de recursos próprios na construção de uma nova fábrica em Eldorado do Sul, próxima a Porto Alegre, que começou a operar no início do ano. São 13 mil metros quadrados de área construída em terreno de 12 hectares. “Fiquei impressionado com as instalações da fábrica da Datacom”, comentou Antonio Carlos Valente, presidente do Grupo Telefônica no Brasil ao relatar ao Tele.Síntese a visita à empresa.
 

Exportação
 

De acordo com Pôrto, o investimento na nova fábrica foi realizada tendo em vista o planejamento da empresa de ampliar substancialmente seu volume de exportação de equipamentos com tecnologia IP. “Hoje, as exportações representam de 5% a 6% do faturamento, mas queremos elevar essa fatia para 40% em cinco anos”, conta ele. A ampliação prevista no planejamento estratégico da empresa poderá ser atingida porque as switches Ethernet têm aplicação no mundo todo, no mercado de operadoras e corporativo. “Nosso diferencial competitivo está na tecnologia própria”, assegura Pôrto. Embora o volume seja pequeno, a Datacom exporta 45 países da América Latina, Europa, Oriente Médio e Ásia.
 

Para atingir as metas traçadas, a Datacom conta com 350 funcionários alocados na área de P&D – no total, são 850 – e, desde 2010, investe 25% da receita líquida nessa área para suportar a evolução de seus produtos da linha IP. “Não é trivial manter um investimento deste porte em P&D”, afirma Pôrto.
 

Anterior Email seguro do Serpro atenderá também aos uruguaios
Próximos Mercado já fala na necessidade de regulamentação diferenciada para células de 2 a 5 Watts