Dantas fala no Congresso e nega extorsão do governo


Em depoimento à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, justificou há pouco o repasse de verbas a Marcos Valério de Souza, alegando que as empresas de publicidade do empresário já prestavam serviços à Telemig antes mesmo da privatização da companhia telefônica de Minas Gerais. O banqueiro negou …

Em depoimento à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, justificou há pouco o repasse de verbas a Marcos Valério de Souza, alegando que as empresas de publicidade do empresário já prestavam serviços à Telemig antes mesmo da privatização da companhia telefônica de Minas Gerais. O banqueiro negou que tivesse requisitado serviços de espionagem à empresa norte-americana Kroll e afirmou que os advogados Roberto Teixeira e Antônio Carlos de Almeida Castro prestavam serviços à Brasil Telecom. A empresa telefônica, segundo Dantas, contaria atualmente com 60 advogados, em razão de disputas acionárias mantidas com outras empresas do setor. Dantas também negou que tenha encaminhado qualquer contribuição financeira ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Verônica
Em resposta ao senador Arthur Virgilio (PSDB-AM), a irmã do banqueiro Daniel Dantas, Verônica Dantas, negou, também em depoimento na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) ter declarado à corte de justiça de Nova Iorque que o banco Opportunity havia sofrido extorsão por parte de autoridades do governo. No entanto, Daniel Dantas esclareceu que, no início do atual governo, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares manteve encontro com um representante do Opportunity, em um hotel de Brasília, durante o qual o Delúbio teria dito que a agremiação precisava de um empréstimo de US$ 50 milhões. Dantas disse que ficou preocupado com o pedido e encaminhou o pleito ao Citibank, em Nova Iorque. O banco, segundo ele, teria alegado que a proposta ia contra as normas americanas e a teria descartado. Dantas disse que a relação do Opportunity era tensa no início do atual governo, mas não reconheceu indícios de extorsão na proposta apresentada por Delúbio Soares. (Com informações da Agência Senado)

Anterior Para TCU, lei do Fust não precisa mudar
Próximos Positivo investe no varejo e chega a 1 milhão de PCs