A Cisco divulgou a sétima edição do Cisco Global Cloud Index (2016-2021). O relatório anual atualizado foca na virtualização dos data centers e na computação em nuvem. De acordo com o estudo, tanto os aplicativos de consumo quanto os de negócios estão contribuindo para o crescente domínio de serviços na nuvem pela Internet. Para os consumidores, streaming de vídeo, redes sociais e buscas estão entre as aplicações de nuvem mais populares. Para os usuários empresariais, o Sistema de Gestão Empresarial (ERP, na sigla em inglês), a colaboração, a análise analítica e outras aplicações empresariais digitais representam as principais áreas de crescimento.

Impulsionado pelo crescimento das aplicações em nuvem, o tráfego dos data centers está crescendo rapidamente. O estudo prevê que o tráfego global de data center em nuvem alcance 19,5 zettabytes (ZB) por ano até 2021, um aumento em relação a 6.0 ZB por ano em 2016 (crescimento de 3,3 vezes ou uma taxa de crescimento anual composta de 27% [CAGR, na sigla em inglês] de 2016 a 2021). Globalmente, o tráfego de data center em nuvem representará 95% do tráfego total de data centers até 2021, em comparação com 88% em 2016.

O crescimento de aplicações de Internet de Coisas (IoT) como carros inteligentes, cidades inteligentes, serviços de saúde e serviços públicos digitais conectados, está requerendo soluções de computação e armazenamento escaláveis para acomodar demandas de data centers novas e em expansão. Em 2021, a Cisco espera que as conexões de IoT cheguem a 13,7 bilhões, contra 5,8 bilhões em 2016.

A crescente necessidade de recursos de data centers e nuvem levou ao desenvolvimento de data centers públicos em nuvem em larga escala, chamados de data centers de hiperescala. Na previsão deste ano, a expectativa é que, até 2021, haja 628 data centers de hiperescala globalmente, em comparação com 338 em 2016, crescimento de 1,9 vezes ou quase que o dobro ao longo do período de previsão.

Ainda conforme o levantamento, até 2021, 94% das cargas de trabalho e instâncias de computação serão processadas pelos data centers em nuvem; 6% serão processados por data centers tradicionais. As cargas de trabalho de data centers e as instâncias computacionais globais mais do que dobrarão (2,3 vezes) de 2016 a 2021; no entanto, as cargas de trabalho e as instâncias de computação na nuvem quase que triplicarão (2,7 vezes) durante o mesmo período.

Dados de big data chegarão a 403 exabytes (EB) até 2021, um aumento de quase 8 vezes em relação a 25 EB em 2016. Big data representará 30% dos dados armazenados em data centers até 2021, ante 18% em 2016. A quantidade de dados armazenados em dispositivos será 4,5 vezes superior aos dados armazenados em data centers, com 5,9 ZB até 2021.

Impulsionada em grande parte pela IoT, a quantidade total de dados criados (e não necessariamente armazenados) por qualquer dispositivo atingirá 847 ZB por ano até 2021, um aumento em relação a 218 ZB por ano em 2016. Os dados criados duplicaram em termos de magnitude, em comparação com os dados armazenados.shutterstock_Oleksiy Mark_Banda_larga_Comunicacao_Dados_Data_Center