CVM e Bovespa pedem explicações à Telebrás sobre aumento de ações


A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa) pediram explicações à Telebrás sobre as oscilações registradas com as ações ordinárias e preferenciais de emissão da companhia e sobre o aumento no volume de negócios/quantidade de papéis negociados neste mês na Bovespa. "Vimos solicitar que nos seja informado com …

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa) pediram explicações à Telebrás sobre as oscilações registradas com as ações ordinárias e preferenciais de emissão da companhia e sobre o aumento no volume de negócios/quantidade de papéis negociados neste mês na Bovespa. "Vimos solicitar que nos seja informado com a maior brevidade possível, se há algum fato, do conhecimento de V.S.as., que possa justificá-los", diz o ofício encaminhado ao diretor de Relações com Investidores da Telebrás, Jorge da Motta e Silva.

Com as notícias que têm sido veiculadas sobre a participação da Telebrás no Plano Nacional de Banda Larga, os papéis da empresa registraram forte alta no início deste ano na Bovespa. No período de 13 janeiro até o dia 27, as ações ON da Telebrás oscilaram fortemente, com o pico de alta no dia 19 deste mês, quando aumentaram 35,43% em relação ao dia anterior. O maior volume financeiro com as ON ocorreu no dia 27, quando os papéis movimentaram R$ 11,87 milhões na bolsa. Já as ações PN chegaram a subir 37,79% no dia 19, quando houve também o maior volume financeiro negociado — R$ 195 milhões.

O diretor de RI da Telebrás diz que desconhece as razões dessa movimentação, no entanto, "julga que, dentre os possíveis fatos para a forte e clara especulação que vem ocorrendo, pode ser a repercussão do vasto noticiário veiculado pelos órgãos de imprensa sobre assuntos de políticas de telecomunicações e intenções governamentais de projetos, assuntos estes recorrentes desde 2007." Ele informa ainda que solicitou ao ministro das Comunicações os “esclarecimentos necessários para responder à CVM no prazo designado (cinco dias)". (Da redação)

Anterior Brasil está entre os países mais vulneráveis a ciberataques
Próximos GVT antecipa pagamento de 39,3% da sua dívida