Custos cresceram mais rápido que receitas da Claro e Embratel no terceiro trimestre


A América Móvil, controladora das operações de telefonia celular da Claro em toda a América Latina e das operações da Embratel, anunciou hoje os resultados operacionais do terceiro trimestre de 2011. A holding fechou setembro com 298 milhões de acessos, 11,7% a mais que o mesmo trimetre de 2010. Deste total, 241,5 milhões são celulares; 29,3 milhões linhas fixas; 14,6 milhões acessos banda larga e 12,5 milhões clientes de TV paga. As receitas subiram 8% em relação ao 3T10, para 167 bilhões de pesos, puxados pela comunicação de dados e TV por assinatura. O EBITDA foi de 64 bilhões de pesos mexicanos, apenas 1% acima ao mesmo período de 2010, devido ao grande “aumento de custos no México e Brasil”, informa a companhia.

Os lucros operacional e líquido caíram. O lucro operacional foi de 40 bilhões de pesos, 3,3% inferior ao 3T10 e o lucro líquido, de 18,7 bilhões de pesos foi 21% menor. O Capex do período foi de 73 bilhões de pesos.

Brasil

No Brasil, as operadoras da América Móvil Claro e Embratel (está excluída a NET do balanço), geraram receitas de R$ 5,73 bilhões, das quais a operação de celular é responsável por 55% do total. A Claro adicionou em sua base 2 milhões de novos clientes, fechando o período com 57,5 milhões, ou 17,9% a mais que 3T10. O pós-pago está crescendo mais rápido (29%), e as receitas com comunicação de dados móveis aumentaram 25,6%.

O EBITDA foi de R$ 1,5 bilhão, queda de 7,3% em relação ao 3T10. Conforme a holding, esta redução foi provocada pelo aumento dos custos na aquisição de assinantes da TV paga Via Embratel; custos de lançamento de mais fibras ópticas em todo o Brasil e a unificação das operações fixas em móveis em inúmeras cidades, inclusive São Paulo. Além disso, houve a expansão dos call centers e aumento de custos na aquisição de conteúdos para os serviços de TV paga.

Com receitas totais de R$ 5,7 bilhões, a Claro registrou receitas operacionais de  R$ 3,138 bilhões e a Embratel outros R$ 3,009 bilhões. O EBIT (desconsideradas as amortizações e depreciações) foi de R$ 265 milhões. ( Da redação).

Anterior Para TelComp, redução da VU-M elimina distorções no serviço móvel.
Próximos Teles já conectam 50,7 milhões de brasileiros em banda larga