CSU CardSystem fecha acordo com Carrefour Visa


A CSU CardSystem S.A informou hoje, 23, por meio de comunicado enviado à Bovespa e à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que fechou acordo operacional com a Cetelem para atender o Cartão Carrefour Visa na sua administração. A CSU será responsável pelo suporte operacional, back office, intercâmbio, administração de fraude, relação com a bandeira Visa e …

A CSU CardSystem S.A informou hoje, 23, por meio de comunicado enviado à Bovespa e à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que fechou acordo operacional com a Cetelem para atender o Cartão Carrefour Visa na sua administração. A CSU será responsável pelo suporte operacional, back office, intercâmbio, administração de fraude, relação com a bandeira Visa e roteamento das transações.

O processamento dos cartões (autorização, emissão de faturas, contabilização) estará a cargo da Cetelem, financeira francesa do grupo BNP Paribas, parceira do Carrefour na área de serviços financeiros em vários mercados, inclusive na França e Argentina. A certificação Visa para este produto estará concluída em Outubro/06.

A meta para 2007 é transformar de 30% a 35% dos cartões private label Carrefour em cartões de crédito bandeirados. Atualmente, a rede possui 5,7 milhões de cartões com a bandeira Carrefour.

A CSU CardSystem também informou que renovou, por mais dois anos, o contrato com o banco Nossa Caixa, iniciado em 2004. O banco, segundo a CSU, tem registrado um processo de crescimento acelerado em sua base de cartões de crédito, já atingindo a marca de um milhão de cartões em apenas dois anos de comercialização do produto no mercado.

A CSU é a empresa líder no mercado brasileiro em termos de volume de cartões de crédito administrados para terceiros. A companhia administra todos os diversos tipos de meios eletrônicos de pagamento existentes e conta com uma base de aproximadamente 10,1 milhões de cartões, incluindo cartões de crédito, cartões private label, voucheres, etc.

Fonte: CSU Cardsystem
Anterior Na reta final da campanha presidencial, Fittel volta a criticar privatização.
Próximos A tecnologia ponto a ponto muda o mercado de banda larga