Crise pode adiar mudanças no PPB para notebooks e desktops


As modificações propostas pelo governo para o PPB (Processo Produtivo Básico) de notebooks, desktops e servidores, em fase de consulta pública e avaliação das contribuições, podem ser adiadas, temporariamente, em razão da crise no mercado financeiro, que está gerando insegurança na indústria. As mudanças sugeridas alteram os percentuais de nacionalização de componentes na produção de …

As modificações propostas pelo governo para o PPB (Processo Produtivo Básico) de notebooks, desktops e servidores, em fase de consulta pública e avaliação das contribuições, podem ser adiadas, temporariamente, em razão da crise no mercado financeiro, que está gerando insegurança na indústria. As mudanças sugeridas alteram os percentuais de nacionalização de componentes na produção de notebooks e desktops, reduzindo as importações de placas de memória, hard disks, gabinetes e placas de circuito, entre outros. As medidas alteram três portarias e foram elaboradas conjuntamente pelos ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic) e da Ciência e Tecnologia (MCT).

Para a produção nacional de notebooks, por exemplo, a portaria em vigor prevê a nacionalização de 30% de módulos de memória a partir de 2009. Pela nova proposta, esse percentual se mantém em 2009, mas passa para 40% em 2010 e 50% em 2011. Além dessa, há outras mudanças previstas, mas que, com a crise, podem ter a implementação adiada. “Os fabricantes estão preocupados, houve uma parada nos investimentos e ainda não é possível avaliar o impacto da crise no setor e nem das mudanças no PPB diante desse novo cenário”, diz uma fonte do MCT.

A tendência, hoje, é que as modificações propostas para as portarias de PPB se dêem em duas etapas: num primeiro momento, o governo tomará medidas pontuais em relação ao PPB para esses produtos (notebook, destktop e servidores), prorrogando, por exemplo, o prazo (que termina em 31 de dezembro) da dispensa de nacionalização de placas de comunicação sem-fio em produtos com PPB. Num segundo momento, com o mercado mais estável, seriam publicadas as novas portarias com as modificações no PPB desses produtos. “Estamos conversando com fornecedores de partes e peças e de componentes e com os fabricantes e avaliando a situação, mas é possível que as alterações se dêem em duas etapas”, informa técnico do MCT.

Anterior A fusão BrT/Oi e os prazos da Anatel
Próximos Polycom anuncia novos produtos