Crescem investimentos em comércio eletrônico


O nível de comércio eletrônico (CE) no Brasil está crescendo. O valor atualmente negociado no CE nas transações de negócio-a-negócio (B2B) representa 36,45% do valor do mercado total, o que significou US$ 86 bilhões em 2006, e 12,71% para negócio-a-consumidor (B2C), ou seja, US$ 27 bilhões no ano passado. Os dados são da Fundação Getúlio …

O nível de comércio eletrônico (CE) no Brasil está crescendo. O valor atualmente negociado no CE nas transações de negócio-a-negócio (B2B) representa 36,45% do valor do mercado total, o que significou US$ 86 bilhões em 2006, e 12,71% para negócio-a-consumidor (B2C), ou seja, US$ 27 bilhões no ano passado. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas (FGV), elaborados para a 9ª edição da Pesquisa Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro, divulgada hoje, 4 de junho, em São Paulo. Segundo Alberto Luiz Albertin, coordenador da pesquisa, a tendência é de crescimento nos investimentos em CE, ainda que o ritmo destes tenha diminuído em 2006, o que mostra “que as empresas passaram a utilizar de forma mais efetiva as aplicações de CE que já haviam sido desenvolvidas visando seu processo de negócio.”

Para Albertin, uma das conclusões da pesquisa é que “a busca por fornecedores na internet aumentou mais que a busca por clientes”, ou seja, o número de solicitação de suprimentos cresceu em um ritmo mais acelerado que o número de recebimentos de pedidos. Outro destaque fica por conta do relacionamento com clientes, que ultrapassou a privacidade e segurança como preocupação número um na avaliação da empresas dos aspectos de CE. A pesquisa considerou 402 empresas, tanto nacionais quanto multinacionais, dos vários setores econômicos, ramos de atividade e portes. A maioria das pesquisadas (40%) atua no setor de serviços, sendo que 35% é de indústrias, e 25% atua no comércio.

Anterior Voitel quer ampliar terceirização
Próximos WiMax recebe estímulo da UIT