CPqD lança plataforma IoT de código aberto


O CPqD lançou hoje, 12, a plataforma Dojot, para desenvolvimento de soluções em internet das coisas. O código completo da Dojot é aberto, e está disponível online para que qualquer desenvolvedor possa usá-la.

A organização vai promover workshops, roadshows e trabalhar com instituições de ensino para incentivar a adoção da tecnologia.

A Dojot começou a ser feita em fevereiro, com recursos do Funttel/Finep. O projeto prevê criação de uma plataforma para acelerar o desenvolvimento de novas soluções brasileiras em IoT.

A inciativa recebeu pouco mais de R$ 3 milhões, que serão investidos no seu aperfeiçoamento até 2019. O dinheiro é parte do Projeto Plataforma Nacional de IoT, firmado em maio de 2016, e que prevê a destinação de R$ 34 milhões do fundo a pesquisa e desenvolvimento da tecnologia e do ecossistema no país.

Além do CPqD, o dinheiro também é destinado aos parceiros de pesquisa Instituto Atlântico, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação (FACTI) e Universidade Federal do Ceará. (UFCE).

Segundo Leonardo Mariote, diretor de conectividade do CPqD, a principal diferença da Dojot para outras plataformas comerciais reside em seu código aberto e livre. O desenvolvedor pode usar e modificar o código à vontade, sob a recomendação de devolver melhorias à comunidade.

“O Google tem uma plataforma de IoT, a Samsung tem, a Huawei tem. Mas nós identificamos que havia um gap no mercado, de distribuição de uma plataforma robusta de código aberto. Quem usar as outras plataformas acaba tendo que usar a solução de IoT verticalizada das empresas”, diz.

Características da Dojot

A Dojot foi criada com mente no desenvolvimento de soluções e serviços para cidades inteligentes, com foco em segurança pública, mobilidade urbana e saúde.

Todas as interfaces (APIs) da plataforma também são abertas. O sistema permite o armazenamento de grandes volumes de dados, a conexão e coleta de dados de dispositivos, a construção de fluxo de dados e regras de forma visual (dashboards) e processamento de eventos em tempo real.

A base do Dojot é o framework Fiware, projeto open source realizado na União Europeia. O Fiware tem várias ferramentas e componentes, mas exige capacitação profissional para o desenvolvedor que queira usá-lo.

O CPqD consolidou os componentes numa só plataforma, aperfeiçoou os recursos de segurança, usabilidade, robustez e desempenho para garantir o bom funcionamento em situações críticas.

O resultado é um sistema no qual é possível criar um serviço protótipo em cerca de 30 minutos, e implantar o serviços em nuvem.

Aliás, a plataforma oferece ferramentas de tratamento de dados (estruturados ou não), gestão de dispositivos, autenticação, suporte a protocolos MQTT, HTTPs e CoAP.

Quem já usa

A grande questão é se a plataforma terá condições de concorrer com a versão fechada das gigantes digitais já existentes. A aposta dos executivos do CPqD é de que, sim, é possível atrair usuários com mobilização e ampla divulgação das qualidades da plataforma.

Antes mesmo do lançamento oficial de hoje, feito durante a feira IoT Latin America, a Dojot já era usado. As empresas Exati, Icatel, Newton, Facens, Splice, Taggen e Trópico já trabalham com produtos que dependem da plataforma para funcionar.

Na Taggen criou-se um beacon bluetooth de baixo consumo de energia, lançado ainda em 2016. A Exati criou um dispositivo de gestão a distância de redes de iluminação pública (dispositivo azul na foto), capaz de coletar dados sobre funcionamento de postes espalhados numa cidade.

A plataforma Dojot equipa sistema de telegestão de iluminação pública da Exatii
A plataforma Dojot equipa sistema de telegestão de iluminação pública da Exatii
Anterior Multas que estão na dívida ativa saem da RJ da Oi
Próximos Consulta sobre CGI termina com apenas 87 contribuições