CPqD bate recorde mundial em distância de transmissão óptica entre data centers


Jacklyn Dias Reis, pesquisador do CPqD
Jacklyn Dias Reis, pesquisador do CPqD

Pesquisadores do CPqD bateram o recorde mundial em distância de transmissão óptica entre data centers em abril. Os testes conseguiram conectar laboratórios separados por 140 km de distância, mantendo-se a velocidade de transmissão constante em 100 Gbps. O padrão mundial, atualmente, é conseguir velocidade constante em conexões de 80 Km de extensão.

Esse é o principal resultado já obtido pela equipe de Tecnologias Ópticas do CPqD. Em parceria com a empresa BrPhotonics, o centro vem trabalhando em uma nova técnica de modulação em transmissões WDM (Wavelength Division Multiplex) para interconexão de data centers, que está sendo adotada no mercado internacional.

“Trata-se de uma tecnologia bastante promissora, uma vez que apresenta baixo custo quando comparada à técnica de recepção coerente, utilizada atualmente nos sistemas de 100 Gb/s”, afirma Jacklyn Dias Reis, da Gerência de Tecnologias Ópticas do CPqD. “Outra vantagem dessa nova tecnologia é o menor consumo de energia, que se reflete em redução dos custos de operação do data center”, acrescenta o pesquisador.

Reis usou a tecnologia 56 GBd (gigabaud)-PAM4 (modulação com quatro níveis de amplitude óptica). “Os resultados desse experimento mostram que é possível conectar data centers com um ganho de 75% em relação ao padrão atual, com capacidade agregada de 4 Tb/s por fibra óptica”, resume. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Porto Seguro lança planos sem cobrança adicional em DDD
Próximos Indústria vê com bons olhos junção de ministérios