CPI manda TCU investigar cadastro de pré-pago


A CPI do Crime Cibernético que concluiu ontem,4, o seu relatório final, aprovou a fiscalização do TCU sobre a Anatel, para apurar o cadastro dos celulares pré-pagos e bilhetagem dos serviços de dados pelas operadoras de celular.

(Crédito: Sshutterstock_ Ostill)
(Crédito: Sshutterstock_ Ostill)

A CPI de Crimes Cibernéticos, que aprovou ontem, 5, seu relatório final com a sugestão de elaboração de mais de sete  projetos de lei (alguns para modificar artigos do Marco Civil da Internet), também aprovou várias propostas de fiscalização e controle. Entre elas, duas se aplicam sobre a Anatel e às operadoras de telecomunicações.

A primeira determina que o Tribunal de Contas da União faça uma ação de fiscalização e controle sobre a Anatel, para verificar como está sendo cumprida a lei 10.703, de 2003, que obrigou ao cadastramento obrigatório de todos os celulares pré-pagos do país.

Conforme o relatório final aprovado, haveria um “ambiente de pouca confiabilidade” nesses cadastrados, e os criminosos informariam falsos dados, com aparelhos habilitados sem nenhuma dificuldade. ” Outra questão que facilita a ação criminosa é a conjunção da utilização de terminais pré-pagos em smartphones com acesso à internet gratuita por meio de wifi. Neste tipo de utilização, o criminoso se esconde duplamente, porque muitos acessos gratuitos não exigem qualquer tipo de cadastro de seus utilizadores”, argumenta o relator, deputado Esperidião Amim.

Franquia de dados

A segunda fiscalização, também sugerida para ser promovida pelo TCU, para ” verificar quais foram os procedimentos de fiscalização realizados pela Agência com o intuito de averiguar a coleta e a consolidação das informações de tráfego de dados dos usuários por parte das prestadoras do Serviço Móvel Pessoal, bem como a cobrança pela prestação do serviço, e quais os resultados dessas fiscalizações”.

Essa investigação foi aprovado no contexto da discussão sobre o corte de dados após o limite de franquia. O relatório chegou a ponderar que “o corte após o uso da franquia de dados contratada pode levar os usuários a deixarem de atualizar aplicativos e diretivas de segurança como forma de economizar seu pacote de dados. Assim, a segurança dos dispositivos fica comprometida. Neste particular, entendemos que a mudança dos planos permitindo a desconexão de usuários quando atingem a franquia contratada é potencialmente nociva para a segurança cibernética. Neste particular entendemos que a legalidade dessa medida, em face de seus impactos na qualidade das redes, deve igualmente ser analisada nesta fiscalização.

 

Anterior Windows 10 está presente em 300 milhões de aparelhos
Próximos Cultura regula direito autoral de música na internet e TV paga