Covid-19: 68% das empresas do setor eletroeletrônico projetam queda na produção em 2020


Uma sondagem realizada pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) entre os dias 26 e 29 de maio, sobre o impacto da pandemia de coronavírus na produção do setor eletroeletrônico, apontou que 68% das empresas projetam queda na produção em 2020 em relação a 2019. Outras 25% acreditam na estabilidade e apenas 7% têm expectativa de crescimento na produção este ano.

Conforme as entrevistadas, a produção neste ano deverá ficar 15% abaixo da verificada no ano passado.

PUBLICIDADE

Segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato, a perspectiva negativa em relação ao desempenho no ano reflete a situação atual, além das incertezas sobre como será o comportamento do consumidor quando o comércio voltar. “O consumidor sem segurança não vai trocar seu celular sem saber se vai ter seu emprego mantido”, observa.

De acordo com esse levantamento, 62% das empresas já apresentaram queda na produção em abril em relação a março de 2020, 32% verificaram estabilidade e apenas 6% das pesquisadas informaram crescimento na produção. Esses resultados demonstram os efeitos nocivos da pandemia da Covid-19, que impactou na atividade do setor durante o mês inteiro de abril, uma vez que o coronavírus chegou ao Brasil em meados de março.

Em maio, 41% das entrevistadas indicaram estabilidade, o que demonstra que o fraco resultado apontado em abril se repetiu no mês seguinte. Mesmo na comparação com a fraca base observada em abril, 38% das entrevistadas indicaram nova redução na produção em maio. As demais empresas (21%) apontaram incremento na produção em relação ao mês imediatamente anterior.

Mesmo com o cenário adverso decorrente da pandemia, a maior parte das entrevistadas está determinada a preservar os empregos. Segundo a pesquisa, 70% das empresas afirmaram que não houve redução em seus quadros de empregados no mês de maio, mesmo percentual verificado na pesquisa de abril.

Vale lembrar que, conforme a sondagem realizada no início de maio, 95% das entrevistadas indicaram a realização de ações com o objetivo de evitar ou reduzir demissões, tais como: teletrabalho (homeoffice); antecipação de férias individuais; acordos de redução de jornada de trabalho e salários; uso do banco de horas; utilização de linha de crédito para folha de pagamentos; entre outras.

A última pesquisa da Abinee também revela que 87% das entrevistadas estão adotando as medidas emergenciais anunciadas pelos governos municipal, estadual e federal), a fim de amenizar os impactos econômicos da Covid-19. (Com assessoria de imprensa)

Anterior César Mattos deixa Ministério da Economia
Próximos Aberta consulta pública das regras de uso de White Spaces