Corte dos EUA rejeita apelação e mantém fusão entre AT&T e Time Warner


A corte de apelações do circuito do Distrito de Columbia, nos Estados Unidos, rejeitou pedido do Departamento de Justiça (DoJ) do país para barrar a fusão entre a operadora AT&T e a produtora e programadora de conteúdo Time Warner.

O DoJ ainda pode apelar novamente em uma instância superior da corte de apelações ou tentar a sorte diretamente na Suprema Corte.

Enquanto isso, as empresas seguem em ritmo acelerado de fusão. A Time Warner já foi renomeada para WarnerMedia e consta do balanço da AT&T.

A aquisição da empresa de conteúdo pela AT&T se arrasta desde 2016, quando começaram as negociações. No ano seguinte, o DoJ entrou na Justiça alegando que o acordo concentraria o mercado e permitiria à AT&T elevar preços de conteúdos que já eram vendidos para as rivais de TV paga.

Em nota, o conselheiro geral da AT&T afirmou que “a fusão já rendeu benefícios ao consumidor e continuará a ser assim por anos a fio”. Disse ainda que, com essa derrota após “decisão unânime do circuito do Distrito de Columbia, o DoJ encerre a litigância”. O DoJ não havia se pronunciado até a publicação deste texto.

No Brasil, a transação também reverbera. No final da última semana técnicos da Anatel emitiram parecer avaliando que a Sky, pertencente à AT&T, deve ser vendida para que a fusão seja autorizada pela agência no país.

Pelo Twitter, Ted Johnson, porta-voz do DoJ afirmou que o governo não pretende recorrer da decisão emitida pela core de apelações.

[Atualizado âs 19h]

Anterior Espectro é três vezes mais caro na América Latina, diz GSMA
Próximos TIM propõe mudanças no conselho de administração