Correios prorrogam consulta à edital de licitação de rede


Os Correios prorrogaram para até 1º de julho a consulta pública visando receber contribuições para a contratação de serviços de telecomunicações para interligação de suas unidades em todo território nacional por meio de rede corporativa de dados, conforme especificações técnicas previstas nos anexos do edital. Até essa data, a empresa poderá esclarecer as dúvidas e receber as sugestões, por meio do e-mail cprede21@correios.com.br , (limitado ao tamanho de 15Mb por mensagem), com identificação do consulente (nome, telefone, e-mail, endereço).

O objetivo da consulta é apresentar as diretrizes básicas do objeto a ser licitado e disponibilização prévia das informações necessárias, para devidamente caracterizá-lo e possibilitar a participação das empresas interessadas e da sociedade em geral, com o recebimento de questionamentos, subsídios e sugestões acerca do objeto de licitação. O pregão eletrônico se dará pela modalidade de menor preço global. O contrato terá prazo de cinco anos, sem prorrogação.

Para a prestação dos serviços deverão ser abrangidos enlaces, hardware e software, assim como instalações, desinstalações, dimensionamento, configurações, testes, operação, monitoração, gerenciamento, suporte técnico e manutenção. Os dados armazenados devem ter a possibilidade de gerar relatórios de desempenho da empresa.

Poderão participar da licitação consórcios e cooperativas. Será ainda admitida a subcontratação para os serviços de enlace; instalação; desinstalação; configuração; manutenção; distribuição (logística); assistência e suporte técnico; gerenciamento.

Para os Correios, a subcontratação desses itens é prática de mercado nos serviços de telecomunicações. Ademais, afirma que a subcontratação é uma alternava para ampliar o rol de empresas que possam atender ao objeto da contratação. “Isso flexibilizará o fornecedor na execução das atividades, bem como na distribuição dos serviços segundo a demanda”, afirma a empresa.

A ECT possui dois datacenters, um em Brasília e outro em São Paulo. Porém, ao longo da vigência do contrato poderá ser implementado um futuro CCD na cidade de Brasília, em local distinto do atual, cuja interligação à rede deverá ser providenciada pela empresa vencedora da licitação, mediante solicitação.

Anterior Redução do II vai expulsar fabricantes de componentes do país, afirma Abisemi
Próximos Regulação da Lei das Antenas pode resolver direito de passagem de rodovias públicas