Correios podem ser privatizados, admite seu presidente


correios2

O presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, o ex-deputado Guilherme Campos, afirmou, em comissão geral no plenário da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (30), que a privatização não é desejo do governo, mas disse que, se nenhuma das iniciativas em curso para recuperação da empresa der certo, pode ser alternativa.

“Se nada der certo, os caminhos se estreitam: os Correios podem ser um departamento dentro dos Ministérios das Comunicações; podem entrar novamente numa pauta de privatização”, disse.

Já trabalhadores e deputados defenderam aporte do governo para preservar o caráter público da empresa e empregos e enfrentar as mudanças tecnológicas.

Segundo Guilherme Campos, para tentar superar a crise financeira vivida pela empresa, os Correios estão entrando nos serviços de logística, encomenda e comércio eletrônico.

Ele destacou, porém, que várias empresas – locais e internacionais – concorrem com os Correios nessas áreas. “Se não tivermos resultado, a empresa não terá condições de sobreviver”, ressaltou. “Porque ela é uma empresa, mesmo sendo pública, e tem que ser autossuficiente”, complementou.

Correios ‘defasados’
O presidente dos Correios destacou que a crise foi provocada pelas mudanças tecnológicas, já que o envio de cartas está diminuindo. “Os Correios não se prepararam para essa mudança há 15 anos”, disse. (agência Câmara)

Anterior Liberado o uso de faixas de 700 MHz em sete capitais
Próximos Europeus vão investir R$ 437 milhões em rede WiFi pública

8 Comments

  1. João Valentão
    30 de Maio de 2017

    #PRIVATIZATUDO

  2. Adilson Pereira
    31 de Maio de 2017

    O correio não tem condições de operar com tanta deficiência a privatização MONITORADA seria viável na atual realidade tecnológica.

  3. 31 de Maio de 2017

    Até 2015 os Correios repassaram​ dinheiro a União e repentinamente a empresa passou a dar prejuízo.
    A atual defasagem tecnológica também é culpa da União que não reinvestiu os repasses realizados.
    Nós estamos trabalhando para não deixar nossa Empresa ruir e precisamos que o Guilherme Campos jogue a favor da ECT.
    Abertura de capital e oxigenação do quadro funcional são caminhos interessantes a serem seguidos.

  4. Ronaldo Naldo Doberto
    31 de Maio de 2017

    A desculpa deles é a redução do uso de cartas, devido às mudanças tecnológicas? E o mercado de encomendas, em que os Correios têm mais demanda do que suporta?

    Querem ir para outros setores, ao invés de corrigir os problemas no principal em que atuam atualmente…

    Não basta privatizar, tem que abrir o mercado! Quero ver Correios melhorando ou falindo de vez, com prejuízos privados.

  5. 31 de Maio de 2017

    As pessoas não tem o minimo conhecimento, se as empresas brasileiras forem privatizadas, a aquisição será realizada por empresas estrangeiras, como é o caso da vale do rio doce, pedágios com auto pista, e o dinheiro de arrecadação irá para o exterior, sendo que o serviço será pago, os valores dos serviço por concorrentes dos correios no interior é com preços muito elevados, do que nos grandes centros, ninguém de empresa privada irá colocar veículos para entrega no interior com os valores dos correios, além de que privatizações são ligadas a propinas de anos em negociações com agentes públicos.

    • 2 de junho de 2017

      Nossas divisas já estão em poder do estrangeiro (bancos e riquezas naturais) …o CORREIO é apenas é 1.

  6. Gerson
    1 de junho de 2017

    Existe a empresa Correios a.L. e d.L. (antes e depois do Lula).
    a.L = os Correios lucravam mesmo com o governo pegando a sua fatia.
    d.L. = os Correios foram sucateados.
    Solução = privatizar para os Correios não morrerem em “coma”.

  7. 2 de junho de 2017

    Para saber que uma empresa esta em situação desastrosa não precisa ter conhecimento é visível.