Correios mudam estatuto para cumprirem lei das estatais


A empresa Brasileira de Correios e Telégrafos aprovou, no final do mês passado, novo estatuto social para adaptar as práticas administrativas à lei das estatais, conforme orientação da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Dentre as alterações destacam-se a criação dos Comitês de Auditoria e de Elegibilidade; Composição do Conselho de Administração com 25% (no mínimo) de membros independentes; e Inclusão de requisitos e vedações para os administradores e conselheiros fiscais, já vigente na empresa.

A mudança inclui também a criação do prazo de gestão unificado dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva; treinamentos para os membros do Conselho de Administração, Diretoria Executiva e Conselho Fiscal na posse e anualmente sobre temas específicos previsto em lei; avaliação de desempenho individual e coletiva dos membros do Conselho de Administração, Diretoria Executiva e Conselho Fiscal.

Prevê ainda a inclusão de órgãos de governança: Auditoria Interna, Controladoria, Compliance, Gestão de Riscos e Controles Internos. E a elaboração de demonstrações contábeis e trimestrais acompanhadas de pareceres de auditores independentes, da Auditoria Interna, do Conselho Fiscal e da Manifestação do Conselho de Administração.

O documento inclui, por fim, novas competências para os órgãos colegiados, como determinar a implantação e supervisionar os sistemas de gestão de riscos e de controle interno estabelecidos para a prevenção e mitigação dos principais riscos a que está exposta a ECT, inclusive riscos relacionados à integridade das informações contábeis e financeiras e os relacionados à ocorrência de corrupção e fraude. E ainda estabelecer política de porta-vozes para mitigar o risco de contradição entre as diversas áreas e os executivos da ECT.

A íntegra do novo estatuto social dos Correios foi publicado na edição desta quinta-feira (1º) do Diário Oficial da União.

Anterior Base de assinantes de TV paga cai 5% em 2017
Próximos Lenovo fatura menos com celulares no mundo, mas segue forte na América Latina

2 Comments

  1. reinaldo
    2 de Fevereiro de 2018

    Os correios talvez sejam, o simbolo do roubo que ocorreu no nosso país, o fundo da previdência, o Postales… foi roubado por anos por governos petistas e por peemedebistas acumulando um rombo de 6 bilhões… A Caixa tbm acumula rombos, por patrocinar ajudar a redutos políticos… Infelizmente brasileiro não parece ter jeito, repete os mesmos erros e não cansa… Tá na hora de acabar com indicações políticas, principalmente nos cargos de alto escalação e gestão e acabar com o uso político dessas estatais… Político tá puco se fodendo para estatal, o que eles querem é dar empregos premium para filhos, amigos e parentes… Geralmente quem entra tem um nível muito baixo, por isso que essas estatais dão prejuízo por são obrigadas a dar peito para esse monte de gente incompetente… Já o prejuízo fica para nós pagarmos.

  2. 4 de Março de 2018

    Todos os governos passados estão roubando e sucateando os correios para ter motivos de falar que correios não da lucro para poder privatizar e roubar a grana da privatização tolos são os que não querem ver.