smartphones apps androidO governo da Coreia do Sul deu mais detalhes sobre a investigação que vem fazendo com a intenção de verificar se o Google adotou práticas anticompetitivas. Conforme o jornal The Korea Times, as autoridades procuram abusos em acordos feitos com Samsung desde 2011, pelos quais o Google impunha condicionantes ao acesso a seus aplicativos, impedindo a fragmentação (instalação de apenas um ou outro serviço).

A Samsung tem seu próprio sistema operacional para dispositivos móveis, o Tizen. A plataforma, porém, não “pegou” entre os usuários de smartphone, ficando relegada a mercados de nicho, como o de feature phones na Índia ou de smarTVs. A assinatura de acordos com o Google teria impedido a empresa de ampliar a gama de smartphones com seu próprio sistema.

O Android está em 80% dos celulares usados na Coreia do Sul. Em 2013 a gigante digital já havia sido alvo das autoridades do país, mas a conclusão foi de que, apesar de nociva, as práticas corporativas não afetaram as fatias de mercado dos concorrentes. Em nota, o Google ressaltou o fato de o Android ser uma plataforma aberta e gratuita, que pode ser usada pelos fabricantes com ou sem os serviços da empresa.

Essa não é a primeira vez que o Google é investigado pelos termos presentes nos contratos com fabricantes. As práticas da companhia também passam há anos por escrutínio na Europa, onde a Comissão Europeia vê abuso de posição dominante para manutenção de seu poder de mercado.