Copel inicia projeto de smart grid em Curitiba


A Copel iniciou em três bairros de Curitiba (PR) um projeto-piloto de redes inteligentes de energia elétrica (smart grid), que combina tecnologias para reduzir o número e o tempo dos desligamentos na rede elétrica, medir o consumo de energia, água e gás à distância, descentralizar a geração de energia e servir de vitrine a várias aplicações que antecipam o futuro da infraestrutura energética nas cidades. Em comunicado, a Copel informa que investirá R$ 50 milhões em smart grid neste ano.

Chamado de Paraná Smart Grid, o projeto foi inaugurado pelo governador Beto Richa com um showroom montado na sede da Copel, no bairro Mossunguê. Aberto para visitação de grupos de escolas, universidades e empresas, a estrutura estará conectada em tempo real à rede inteligente para exibir, de modo didático, seu funcionamento e os benefícios para a população e para o sistema elétrico.

O Paraná Smart Grid integra o programa Smart Energy Paraná, criado pelo governo do Paraná em setembro do ano passado para incentivar a geração distribuída por fontes renováveis. Um dos objetivos do projeto é a automação completa da rede elétrica, que dispensa a interferência humana para isolar trechos sem luz. “Nosso smart grid pretende alcançar um nível de automatização da rede elétrica em que o monitoramento, a identificação e a transmissão de informações que permitem a reconfiguração da rede após uma interrupção no fornecimento possam ser realizados pelo próprio sistema”, explica o diretor-presidente da Copel Distribuição, Vlademir Santo Daleffe.

Outro diferencial do projeto é a medição à distância de água, luz e gás utilizando um mesmo canal de comunicação. Desenvolvida na própria empresa, a solução não apenas dará maior agilidade à realização das leituras – reduzindo os custos de operação que oneram as tarifas desses serviços – mas também permitirá monitorar a qualidade do fornecimento e localizar de modo preciso pontos de perdas. As três empresas, Copel, Sanepar e Compagás, são controladas pelo governo do estado.

Projeto-piloto

Para a implementação do projeto-piloto, a Copel selecionou uma área com 10 mil unidades consumidoras localizadas nos bairros Bigorrilho, Campina do Siqueira e Mossunguê, e que inclui os prédios do Centro de Operação da Geração e Transmissão (COGT) e do polo operacional da empresa no Mossunguê. A definição da área deveu-se à grande densidade populacional do trecho, com presença amostral de todos os segmentos de consumidores de energia.

Além da automação da rede e telemedição de energia, água e gás, o projeto também inclui microgeração distribuída por fontes solares e eólicas e testes de conceito que abrangem desde a automação predial até a integração à rede inteligente de eletropostos para carros, bicicletas e ônibus elétricos. (Fonte: assessoria de imprensa)

Anterior Fiesp cobra melhora da banda larga fixa
Próximos Anatel vê ‘operação de guerra’ para efetivar venda da faixa de 700 MHz