A Copa do Mundo da Fifa começou hoje (14) na Rússia e promete impactar o tráfego de dados das redes móveis. Em função dos horários dos jogos, muitos usuários tentarão acessar transmissões e vídeos online. As teles se dizem completamente preparadas.

É o caso da Claro Brasil. As empresas da holding lançaram nesta semana promoções para os clientes acessarem os jogos. Na Net, o destaque foi o acesso em 4K das partidas. E na Claro, a possibilidade de assistir aos jogos no celular, para quem já for assinante de TV paga do grupo, mesmo que dono de um chip pré-pago.

“A Copa de 2014 foi marcada pelo compartilhamento de mensagens e fotos nas redes sociais. Esta será a Copa do vídeo”, prevê Leonardo Contrucci, diretor de Serviços Digitais e Inovação da Claro.

A grande diferença é a quase onipresença do smartphone nas mãos dos brasileiros e o alcance da rede 4G. “A gente acredita que vai haver uma mudança de comportamento e de uso. Na última Copa, o 4G era um lançamento incipiente, disponível só nas capitais. A penetração do smartphone era menor. Agora, mais de 80% das pessoas têm smartphone e a 4G chega a mais de 70% dos usuários”, analisa.

Segundo ele, a expectativa é que os clientes assistam às partidas do Brasil na TV. Mas os demais jogos serão consumidos via celular. “A gente já viu na abertura de hoje um pico de consumo semelhante aos maiores picos de rede que já tivemos em fins de semana. A abertura trouxe consumo a um horário normalmente de baixa demanda”, conta.

Rede preparada

Na Oi, a expectativa é de que a Copa do Mundo não seja um ponto fora da curva no crescimento do consumo de vídeo no celular. Segundo Roberto Guenzburger, diretor de produtos de mobilidade e conteúdo, a empresa já preparou a rede para aumento exponencial de consumo de vídeo neste ano, mas não em função do evento.

“As pessoas querem mais dados, mas ainda se sentem inseguras em acessar vídeos por medo de ficar sem pacote para navegar nas redes sociais depois”, conta. Ele observa que o tráfego de vídeo ainda acontece majoritariamente por WiFi por causa deste receio.

“O desafio é convencer o usuário a assistir sem medo. Por isso, aumentamos muito os pacotes de dados neste ano. No pré-pago há planos com 3GB, e no pós, para assinantes Oi Total, chega-se a 30 GB de franquia. No celular, isso é muito difícil de consumir em um mês”, observa. Os novos planos foram anunciados ainda antes do Dia das Mães, e incluem também acesso ao FOX+, aplicativo que traz conteúdos esportivos.

Roaming…

Na Vivo, a aposta recai sobre o roaming. A empresa buscou ofertar planos para quem teve a sorte de viajar à Rússia para acompanhar de perto a seleção. O número de viajantes é muito menor que o de clientes no Brasil, mas se mostra um filão generoso.

No primeiro trimestre de 2018, a operadora registrou aumento de 147% no uso de internet móvel fora do país e de 34% no número de clientes que usam o celular no exterior. Estados Unidos, Argentina, Chile, México e Paraguai foram os países mais visitados. Mas a Rússia, antes do início da Copa, já experimentava aumento dos acessos. Em abril, houve crescimento de 486% no uso do roaming lá, em comparação à média do primeiro trimestre.

“As grandes competições esportivas catalisam o uso de roaming internacional antes, durante, e depois dos eventos. Observamos isso tanto na África do Sul, em 2010, quanto em Londres, em 2012, especialmente no uso de internet móvel, e devemos observar também na Rússia”, afirma Gustavo Nóbrega, diretor de marketing móvel da Vivo.

O crescimento também tem impacto de promoções para o pós-pago. A operadora liberou sete dias de roaming para quem usa o plano família 15 GB e também para os clientes Vivo V e Platinum, planos mais caros da operadora. Promocionalmente, estão com roaming liberado (mas não ilimitado) por um mês na Rússia clientes V e Platinum do programa de relacionamento Vivo Valoriza.

…e mais roaming

Também a TIM optou por usar o consumo no exterior como benefício para a ocasião. A operadora móvel não oferece pacotes gratuitos, mas diminuiu o preço dos pacotes de roaming. O Liberty Passport Dados, por exemplo, poderá se adquirido para o período entre 14 de junho a 12 de agosto.

O comprador poderá usar 500 MB por dia (R$ 40). Até então, esse era o preço do pacote diário de apenas 15 MB na Rússia. As chamadas de voz continuam sendo cobradas diariamente, R$ 30 por 50 minutos de franquia.

Na Claro, o roaming para a Rússia foi incluído no Passaporte Europa, em que o cliente para R$ 20 para usar seu plano no exterior. Lançado em abril, o serviço atraiu novos usuários. A empresa não revela, porém, o porcentual de crescimento. “A oferta foi motivadora para a captura de novos clientes. Vemos que houve portabilidade de pessoas que enxergaram benefício em vir para a Claro em função do produto”, ressalta Leonardo Contrucci, o diretor de serviços digitais e inovação da Claro.