Copa do Mundo aumenta a importância do roaming internacional, afirma a Vivo.


 Ércio Zilli, diretor de regulamentação da Vivo, alertou que o setor já precisa se preparar para a Copa do Mundo, que será realizada no Brasil em 2014. Para ele, uma das razões para que a Anatel destine a banda de 2,5 GHz para a telefonia celular e não para a TV paga por MMDS é …

 Ércio Zilli, diretor de regulamentação da Vivo, alertou que o setor já precisa se preparar para a Copa do Mundo, que será realizada no Brasil em 2014. Para ele, uma das razões para que a Anatel destine a banda de 2,5 GHz para a telefonia celular e não para a TV paga por MMDS é que o país precisará assegurar que as milhares de pessoas (turistas, jogadores e jornalistas) que virão assistir aos jogos possam se comunicar com seus países de origem. "O Brasil precisará assegurar o roaming internacional", afirmou. Zilli participou do 18º Encontro Tele.Síntese, da Momento Editorial.

O executivo apontou também que uma das maneiras para o governo estimular o compartilhamento das redes e frequências pelas operadoras de celular é mudar a sistemática de cobrança do Fistel (Fundo de Fiscalização). Hoje, segundo Zilli, cada operadora de celular, individualmente, paga a taxa por equipamento instalado, mesmo que elas compartilhem as Erbs, por exemplo. Assinalou que, se a Anatel fizesse com que a taxa a ser paga também fosse compartilhada, haveria maior interesse das empresas.

Anterior Anatel tem 15 dias para decidir sobre suspensão da cautelar
Próximos ABTA quer manter licitação por município