Conteúdo áudio-visual, a grande atração dos internautas residenciais.


Em julho, o número de usuários ativos da internet permaneceu em 13,4 milhões, o mesmo nível de junho, e 17% maior do que em julho de 2005. O tempo de navegação também ficou no mesmo patamar em que estava: 20h39min, mantendo o Brasil em primeiro lugar no item horas navegadas no domicílio. O Japão chegou …

Em julho, o número de usuários ativos da internet permaneceu em 13,4 milhões, o mesmo nível de junho, e 17% maior do que em julho de 2005. O tempo de navegação também ficou no mesmo patamar em que estava: 20h39min, mantendo o Brasil em primeiro lugar no item horas navegadas no domicílio. O Japão chegou a 18h11min, e agora é segundo, seguido pelos Estados Unidos, que têm 17h19min. A França caiu para terceiro, entre os países medidos pela Nielsen//NetRatings, ficando com 15h28min.

Segundo dados do Comitê Gestor da Internet no Brasil, o número de domínios .br atingiu 957.979, com crescimento de 20,2% em relação a julho do ano passado. Em número de usuários únicos, o grupo de sites que mais recebeu acréscimo de usuários novos no período foi vídeos e filmes, que passou de pouco mais de 3,4 milhões de usuários únicos domiciliares em junho, para 4,2 milhões em julho, um aumento de 21%.

“O maior acesso à banda larga tem incentivado os internautas residenciais a consumirem mais conteúdo áudio-visual, principalmente de sites que estimulam a convergência com outras mídias e que permitem a interatividade e a participação dos usuários”, observa José Calazans, analista do IBOPE Inteligência.

Também cresceram no período as categorias automóveis, com 7,6%; casa e moda, com 4,4%; e comércio eletrônico, com 2,2%. Entre as categorias que tiveram maior diminuição de audiência em julho está esportes, com queda de 20%. “Possivelmente afetada pelo desinteresse dos internautas brasileiros pela Copa do Mundo após a despedida antecipada da seleção brasileira no primeiro dia de julho” comenta o analista.

(Fonte: assessoria de imprensa, IBOPE/NetRatings)

Anterior Governo erra ao ameaçar intervir na Anatel.
Próximos TV Digital: MP entra com ação civil para anular decreto.