Consultores defendem transparência ao invés de metas para qualidade da banda larga


A avaliação da qualidade da banda larga nos Estados Unidos, Inglaterra e Nova Zelândia é feita por entidade independente e depois publicada amplamente. Esse método de medição da qualidade de serviço é baseado na transparência e prevê uma autorregulação a partir da competição entre operadores, disse o representante da PrinceWatherHouse Coopers, Maurício Giust, no seminário “Modelo de Avaliação da Qualidade de Acesso à internet em Banda Larga”, que está sendo promovido nesta quinta-feira (1º/9), pela Telebrasil.

Segundo Tom Mowat, também da PwC, os reguladores estão satisfeito com o que chama de “transparência forçada”. Os dois defenderam que o Brasil adote sistema semelhante. Na Índia, outro mercado examinado pela consultoria, foram adotadas metas de qualidade, porém não foram estabelecidas sanções caso não sejam atendidas.

 

Já o representante da SamKnows, empresa independente contratada para medição da banda larga nos Estados Unidos e Inglaterra, Alexander Salter, acredita que estabelecer a metodologia de teste é o passo mais importante. “O sistema tem que ser aprovado pelo regulador, provedores de acesso, indústria, empresas de conteúdo e consumidores, que são os mais difíceis de contentar”, disse.

Salter disse que as tentativas de medição por meio de software e diretamente na rede do usuário falharam. A opção foi a medição por hardware e usando um sistema que independe do conhecimento do usuário para funcionar. A medição já foi concluída e incorpora 14 testes diferentes, nove a mais do que propõe o regulamento em análise na Anatel.

Os resultados foram apresentados à FCC (órgão regulador norte-americano) em agosto e ficou satisfatório, diz Salter. “Agora vamos entrar na segunda fase, para que as operadoras façam a medições das suas redes usando essa metodologia, que é colaborativa”, disse.

Dificuldades

A primeira palestra do seminário foi dos representantes do CPqD, Luciano Martins e Jadir da Silva, que apresentaram o estudo realizado pela empresa apontando a complexidade de definição de métodos de medição da qualidade da banda larga. Eles apontaram os desafios que precisam ser enfrentados para avaliar o serviço.

Anterior Brasil ainda não é atrativo para fabricação de chips, diz diretor da Texas Instruments
Próximos Orçamento 2012: cortes atingem investimentos. Telebras só terá R$ 353 milhões