Consulta sobre neutralidade da rede da Anatel termina com 147 contribuições


A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) encerrou às 24h de ontem (19) o recebimento de contribuições para sua consulta pública sobre a regulamentação do Marco Civil da Internet. A consulta previa a coleta de posições de entidades setoriais, empresas, organizações civis, governamentais e de cidadãos para subsidiar o aconselhamento que a Anatel poderá fazer à presidência da república. Cabe à presidente Dilma Rousseff editar decreto regulamentando a lei, aprovada em abril do ano passado.

A agência registrou 110 contribuições enviadas por seu Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública (SACP) e mais  37 pela plataforma Diálogo Anatel. A consulta pede opiniões sobre exceções à neutralidades, modelos de negócios e bloqueio de conteúdo online.

Operadoras 
As operadoras enviaram suas sugestões. A Telefônica Vivo ressaltou que a Anatel, quando consultada, deve orientar a presidência apenas sobre as exceções à neutralidade de rede. Entende o Marco Civil e a Lei Geral das Telecomunicações não autorizam a agência a ir além. Com Claro, Nextel e TIM, entra na discussão sobre preservação dos modelos de negócios pedindo poucas, ou nenhuma, regras e requisitos para operações das provedoras de acesso.

A Claro defende o zero rating e acordos de interconexão, os quais, em seu entender, não ferem a neutralidade pois beneficiam o usuário final. Cita ainda os serviços de CDN (Content Delivery Network) como essencial aos provedores de aplicações, ao acelerar a entrega de conteúdo. A teles defendem que as provedoras de conexão têm o direito de ofertar, como serviço, o bloqueio de conteúdos a pedido dos usuários. A TIM também, e pede que estes contratos sejam avalizados ex posto, caso a caso.

As provedoras de acesso reclamam ainda da liberdade como as provedoras de aplicações (OTTs) operam, sem “obrigações de qualidade, atendimento e emergências”, segundo a Telefônica.

As operadoras sugerem que o decreto não detalhe requisitos técnicos para garantia de qualidade e prestação  de serviços e aplicações na internet no Brasil. Em vez disso, que o texto se mantenha principiológico. E propõem como princípios a garantia de segurança do usuário, transparência com os usuários, garantias de qualidade mínima, interoperabilidade, portabilidade e urgência (tráfego priorizado em casos de vida ou morte). A TIM chega a pedir a definição de critérios (como otimização de conteúdo, situações de congestionamento, compressão de dados, mitigação de ataques etc) que seriam exceções à neutralidade.

A Claro também entram no debate sobre a guarda de registro, recomendando que não superem três anos sob ordem judicial. E volta a cobrar a definição clara no “ente competente” para exigir dados dos usuário.

A TIM sugere ainda a criação de um grupo de trabalho, no âmbito da Anatel, incluindo também “instituições de grande utilidade pública”, Ministério Público e Defensoria Pública, para definir os serviços de emergência que teria tráfego de dados priorizado.

Além da Anatel, o Ministério da Justiça, que deve escrever a minuta para a presidência, também fez uma consulta e tem outra aberta sobre o tema. O CGI.br, entidade que também pode ser acionada por Dilma para aconselhamento, também realizou uma consulta recentemente.

Anterior Campanha de desligamento da TV analógica começa quinta, em São Paulo
Próximos Teles continuam impedidas de bloquear internet ao fim da franquia, decide TJSP