Consolidação do mercado de telecom deve vir antes do leilão da 5G, prevê CEO da TIM


Pietro Labriola, presidente da TIM Brasil, entende que a venda da Oi móvel e da Nextel devem se concretizar para que as regras do leilão de frequências estejam em dia com o quadro de consolidação. Ele defende que o leilão deva estabelecer metas agressivas de cobertura ao invés de cobrar alto pelo espectro e não vê perspectivas em operações locais.

O CEO da TIM Brasil, Pietro Labriola, afirmou hoje, 5, que a empresa tem interesse em analisar a compra da operadora móvel da Oi, visto que a confirmação de sua venda se deu na semana passada, com o anúncio da  contratação do analista financeiro pelo COO da concessionária, Rodrigo Abreu. Conforme Labriola, o principal interesse da TIM nesse ativo são as frequências que a Oi dispõe, cuja aquisição pode permitir barateamento da construção da infraestrutura.

“Quanto mais frequência se tem, mais se gera valor para a indústria móvel. Com menos frequência, é preciso instalar mais antenas, mais gastos com aluguel, energia, manutenção. Diferentemente do que acontece em outras situação de fusão e aquisição (M&A), no nosso caso, as frequências da Oi são o ativo mais importante”, afirmou o executivo.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo em que vê  como tendência o adiamento do leilão da 5G para o segundo semestre do próximo ano, Labriola avalia que houve uma aceleração no movimento da Oi com esse anúncio. “Há cinco meses, a venda das operações móveis da Oi não estava na mesa, eram só assets não estratégicos. Agora, com a confirmação da contratação do adviser financeiro, é muito mais provável que a venda ocorra antes do leilão”, avalia.

E, para o executivo, a definição de regras para a compra de frequências da 5G a serem colocadas à venda pela Anatel com um mercado já consolidado trará mais transparência, visto que alguns limitadores existentes atualmente perderão a razão de existir.

Labriola citou como exemplo a regra atual que estabelece que somente operadoras que não possuem a frequência de 700 MHz poderão comprar esse espectro no futuro leilão. “Nesse caso, só poderiam comprar esse espectro a Nextel ou a Oi. E, se depois essas empresas são compradas, fica claro que essa regra está errada”, afirmou.

Para o Brasil

Embora ressalte que não cabe a ele sugerir como deverá ser o leilão de frequências, Labriola entende que a modelagem de venda deve levar em conta os interesses do Brasil, e não o das operadoras. ” Deve ser um elemento de desenvolvimento da política econômica de todos os país”, afirmou. E  entende que uma das exigências deveria ser preço mais baixo pelas frequências em troca de construção acelerada das redes  5G.

O executivo assinalou ainda que a nova tecnologia traz para as operadoras de celular um novo modelo de negócios, já que o mercado passará a ser BtoBtoC. Ou seja, a operadora de telecomunicações irá depender de um hospital, ou de uma instituição de ensino para chegar ao cliente final.

Sem reservas de espectro

O presidente da operadora italiana defende também que as empresas que comprarem as frequências devem usá-las, e não fazer reserva de valor com esse bem finito. Para ele, o modelo de exploração de operação móvel sem escala nacional tem-se mostrado equivocado em todo o mundo.

” Olhe a história. Aqui no Brasil, a Nextel, operadora que atuou em dois estados que detêm 43% do PIB brasileiro  não conseguiu desenvolver um modelo de negócios sustentável”, exemplificou.

 

 

 

Anterior PL que altera lei da TV paga não tem consenso na Câmara
Próximos IBGE mostra participação das teles no financiamento do audiovisual