Conselho de Administração da Petrobras aprova cessão de fibras à Telebrás


O uso de fibras ópicas da rede da Petrobras pela Telebrás, para a implementação do Plano Nacional de Banda Larga, já foi aprovado pela diretoria da empresa e também pelo Conselho de Administração, presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ainda não se sabe quando será assinado o contrato e os termos – uma das questões que retardaram o acordo eram as exigências da Petrobras em relação a eventuais interferências em sua rede, com multas consideradas elevadíssimas pela diretoria da Telebrás.

Na terça-feira desta semana, uma reunião em Manaus, entre representantes do Minicom, da Telebrás e do governo do Amazonas para discutir a inclusão do estado no PNB, já contou com a participação de um representante da Petrobras, que vai ceder um par de suas fibras na linha de transmissão do  gasoduto que liga Coari-Manaus para o estado possa ser incluído no PNBL.

No plano inicial do PNBL, o Amazonas, assim como os estados do Amapá e Roraima, ficaram de fora porque a rede das elétricas que a Telebrás pretende usar não passa por esses estados. A exclusão levou os deputadores e senadores da região Norte a pressionarem o governo, reivindicando a inclusão da região no plano. Desde então, as discussões têm avançado, particularmente no Amazonas e no Amapá. No caso deste estado, será necessária a construção de uma rede para a transmissão do sinal entre o Oiapoque até a cidade de Calçoene, de onde seria conectada à linha já existente da Eletronorte que liga a Macapá. No caso do Amazonas, a rede do gasoduto, com 383 km de fibras, atenderá de imediato sete cidades (Coari, Anamã, Anori, Codajás, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba). “Com o acordo entre a Petrobras e a Telebrás já aprovado, o projeto de implementar uma rede no estado começa a sair do papel”, diz fonte do governo do Amazonas. Na próxima semana, técnicos da Telebrás e da Prodam (Empresa de Processamento de Dados do Amazonas) começam a fazer o levantamento técnico das primeiras cidades que serão atendidas no estado pelo PNBL.

Anterior Minicom lança consulta pública com novas regras para rádio e TV educativas
Próximos UIT estima que banda larga móvel alcance 1 bilhão de usuários até julho