Conselho da Anatel volta a se digladiar em público e acusações são transmitidas ao vivo


A reunião da direção da Anatel teve hoje mais um bate-boca entre seus pares. Depois de dura declaração de Aníbal Diniz, que defendeu repúdio imediato da agência contra o acórdão do TCU sobre os bens reversíveis, Vicente Aquino acusou Leonardo de Morais de ser “autoritário” e anunciou seu rompimento com a presidência. Morais por sua vez, reagiu a Aníbal, afirmando que diálogo não se constrõi com holofotes e respondeu a Aquino que não irá tirar técnicos de seus cargos, porque “esse Brasil já acabou”. Emmanoel Campelo, resumiu o embate como um “círculo de estupidez”.

 

A reunião de hoje, 3, do conselho diretor da Anatel foi aberta com mais uma cena de pugilismo entre seus dirigentes. Após a dura declaração de Aníbal Diniz, que defendeu o repúdio imediato da agência à decisão do Tribunal de Contas da União (TCU)  sobre os bens reversíveis (cuja íntegra foi publicada em primeira mão pelo Tele.Síntese), com críticas à postura da condução do posicionamento da presidência, foi a vez do conselheiro Vicente Aquino acusar o presidente,  Leonardo de Morais, de ser autoritário e não dialogar com os demais pares. Morais, por sua vez, retrucou a Diniz assinalando que prefere tratar com o TCU de forma institucional e, a Aquino, avisou que a época de substituição de técnicos de seus cargos já não cabia mais no Brasil. Emmanoel Campelo, por sua vez, disse que o ocorrido era um “círculo de estupidez”,  e Moisés Moreira também pediu mais diálogo, mas preferiu que a discussão não ocorresse em público.

Tudo começou com  uma dura manifestação feita pelo conselheiro Aníbal Diniz, em extra pauta, sobre o Acórdão 2124 do TCU – de bens reversíveis. Para Diniz, essa decisão “invade a competência da Casa, e não poderia deixar  em xeque a atribuição constitucional da agência reguladora “.

Para Anibal, “a área técnica da Anatel  não pode jogar no lixo a sua experiência e se dar por satisfeita ao acórdão”, disse. E aí, lembrou que o Conselho da agência é um “órgão colegiado” e reclamou  que um assunto dessa magnitude só tenha sido reportado ao presidente e não aos demais conselheiros.

A partir de então, a reunião esquentou. E Diniz resolveu cobrar, com mais veemência, um posicionamento mais firme da Anatel. Para ele,  a postura  da presidência não havia sido deliberada entre os demais pares. E acusou a agência de ter cometido uma “falha grave” ao não ter comparecido na sessão do TCU no dia do julgamento do acórdão para defender oralmente a sua posição.

“Ou apresentamos recurso tempestivamente, ou concordamos com o teor do acórdão”, afirmou, para em seguida, emendar. Ou a Anatel reage ao TCU ou vai passar a cumprir um papel patético”, afirmou Diniz.

Leonardo de Morais, ao responder o “extra pauta” retrucou, alegando que

” não há relação de subordinação da Anatel e o órgão de controle. Estamos mantendo um intenso diálogo com o TCU e essa exposição é complelamente desnecessária”.

E o presidente da Anatel passou a defender a capacidade técnica dos servidores da Anatel, e  disse que não poderia deixar de apoiar o superintendente de Controle e Obrigações, Carlos Baigorri, que disse, em uma reunião interna, que teria que rever sua posição sobre o controle dos bens reversíveis, diante da recente decisão do TCU.

Morais resolveu, então,  citar  o TAC – Termo de Ajuste de Conduta – da Telefônica, que acabou sendo encerrado pela Anatel, como exemplo de que ele respeita todas as decisões do colegiado, pois era favorável à sua aprovação, mas o conselho decidiu abandoná-lo devido a própria recomendação do TCU. “Não posso usar a tribuna para dizer que a Anatel está addicando de prerrogativas e o diálogo se constrói”, respondeu Morais.

Diálogo

Foi quando interveio o conselheiro Viente Aquino. Aproveitando a manifestação de Aníbal, o conselheiro resolveu acusar Leonardo de Morais de ser autoritário e não travar diálogo com os seus pares. Aquino chegou a afirmar que estava rompendo com a Presidência da agência, e só iria tratar com o vice-presidente Emmanoel Campelo.

Em uma rápida explanação sobre a sua posição quanto ao acórdão do TCU – ele disse que é muito mais conservador em relação aos bens reversíveis, mas não aceita a interferência do tribunal de contas na agência reguladora – passou a criticar a  postura de Morais.

“O que menos o presidente faz aqui nessa agência é dialogar. Leonardo não dialoga. Não consegue liderar, dialogar. Leonardo não tem conseguido conduzir, não tem o propósito de construir”, disparou Vicente Aquino.

E disse que ele assiste na Anatel a  “sete meses de agressividade”, e que ontem, Morais foi mais uma vez desdenhoso com sua pessoa.

Emmanoel Campelo, por sua vez, acusou a situação de um

” Círculo de estupidez. Diálogo se constrói. A  falta de diálogo, se houver, deve ser tratado de forma privada. Reunião pública não serve para isso, apenas para atender à própria vaidade”, disse Campelo.

 

 

 

 

 

 

Anterior MPF move ação contra ministro por cancelar edital da Ancine
Próximos TST aprova aumento de 3% para trabalhadores dos Correios

1 Comment

  1. Wellington Menelli
    3 de outubro de 2019
    Responder

    Vejo uma insensatez grandiosa da Anatel que defende a destruição de valor das empresas de TELEFONIA, principalmente da OI, que mesmo investindo Bilhões e com prejuízos imensos até mesmo pela postura da agência, que é inacreditável defender a destruição de valor com multas acima de R$ 20 BI no caso da OI é não aceitar a lei em submeter esses créditos absurdos acima dos acionistas, pelo andar da carruagem dificilmente haverá quem invista no Brasil com essa postura.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *