Conquistar usuário é desafio para mobile commerce


O hábito do consumidor ainda é uma barreira a ser vencida para deslanchar as operações financeiras de compra pelo telefone celular. Essa é a conclusão dos participantes de um painel sobre mobile commerce realizado na tarde de hoje, em São Paulo, no Fórum Móbile + Mobilidade + Negócios. “A criação de uma cultura de compra …

O hábito do consumidor ainda é uma barreira a ser vencida para deslanchar as operações financeiras de compra pelo telefone celular. Essa é a conclusão dos participantes de um painel sobre mobile commerce realizado na tarde de hoje, em São Paulo, no Fórum Móbile + Mobilidade + Negócios. “A criação de uma cultura de compra é o segredo do sucesso para esse tipo de ramo”, comentou Cláudio Nasajon, diretor da Tagshop.

O diretor da Oi Paggo, Roberto Rittes, concorda e apontou um dilema enfrentado pela empresa: a dificuldade de se captar novos usuários para o serviço porque ele ainda é  pouco conhecido. “A dificuldade é como vender a solução para o não usuário”, disse ele. Segundo Rittes, o sistema do Oi Paggo é formado por uma rede de 60 mil estabelecimentos cadastrados no Brasil e a base que utiliza o serviço é de 130 mil assinantes.

A proposta do serviço é ser um cartão de crédito integrado ao celular. O consumidor informa o seu telefone ao vendedor de uma loja cadastrada, que envia um SMS para ele com as informações da compra, que, em seguida, é confirmada pelo cliente do Oi Paggo.

Apesar de não revelar o perfil desse cliente, Rittes diz que ele é parecido com o gasto médio de um consumidor de cartão de crédito normal. O executivo prevê que a partir do ano que vem haja um aumento de micropagamentos com a entrada no sistema de estabelecimentos informais que não conseguem manter um serviço de cartão de crédito. Outra novidade anunciada por ele é que, a partir de outubro, o aplicativo que faz a transação vem embarcado nos novos chips dos clientes da Oi, como forma de diminuir o tempo de processamento.

Impulso de compra

Já o diretor da Tagshop informou que nos próximos 15 dias a loja Polishop deve dar início às operações de m-commerce com a solução da companhia, unindo-se  a empresas como Ponto Frio, Casa & Vídeo e Fast. Para Nasajon, uma das vantagens para o lojista em utilizar esse sistema de vendas é, além do controle da operação,  a agilidade com que chega ao cliente.

Pelo sistema de ordem de compras da Tagshop, o cliente cadastrado encontra no produto que quer comprar um código e o envia por SMS. Em seguida, recebe uma mensagem e confirma o pedido novamente por SMS. O custo da operação é em torno de R$ 1 e já funciona para donos de contas da Oi, Claro e Vivo. Segundo Nasajon, a TIM deve integrar o sistema daqui a dois ou três meses.

Mauro Faccioni Filho, diretor geral da Fazion Sistemas, mostrou a solução de mobile business que desenvolveu para o site Buscapé. O aplicativo móvel para busca e comparação de preços e produtos deverá ser lançado entre o final de outubro e começo de novembro e poderá ser usado gratuitamente por qualquer aparelho celular compatível com a tecnologia Java.

Anterior Anatel quer definir poder de mercado das empresas
Próximos Zunga quer garantias contra internacionalização da nova operadora