Confiança da indústria eletroeletrônica volta a cair em março


O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) eletroeletrônico caiu pelo segundo mês seguido em março. O ICEI setorial, que era de 63,6 pontos em fevereiro, passou para 61,8 pontos no mês passado. A queda foi mais acentuada entre os industriais da área eletrônica, cuja confiança caiu de 63,7 pontos para 61,2 pontos. Na indústria elétrica o índice foi de 63,5 para 62,3 pontos.

A queda denota redução das expectativas em torno do reaquecimento da economia. Reflete ainda menor confiança dos empresários quanto à capacidade de o governo tocar reformas estruturais. Ainda assim, o índice (que vai de 0 a 100) opera no patamar de confiança, e um dos mais altos nos últimos oito anos. Enquanto ficar acima de 50 pontos, considera-se que a maioria dos industriais ouvidos acredita no aquecimento da economia.

O índice também está acima do registrado um ano antes. Em março de 2018, o setor eletroeletrônico como um todo registrava confiança de 60,8 pontos. O segmento elétrico tinha 61,7 pontos, e a área eletrônica, 59,9 pontos.

Balança comercial

Conforme levantamento reunido pela Abinee com base em dados da própria entidade, do Caged, do IBGE, do Ministério da Economia e da CNI, a balança comercial brasileira no setor eletroeletrônico voltou a apresentar saldo negativo em fevereiro.

Tradicionalmente este resultado é negativo, no entanto, houve retração tanto nas exportações, como nas importações. No mês, o saldo encolheu 3,6% em relação a fevereiro de 2018, para US$ 2 bilhões. As exportações caíram 1,2%, enquanto as importações, 3,2%.

No primeiro bimestre do ano, o saldo da balança comercial da indústria eletroeletrônica encolheu 3,4%, para US$ 4,36 bilhões. As exportações caíram 4,1%, enquanto as importações, 3,5%.

No bimestre, cresceram as exportações no segmento de telecomunicações (aumento de 18,2%), que somaram US$ 41 milhões. As vendas ao exterior de produtos de informática caíram 15,6%, para US$ 52,2 milhões. As importações no começo do ano aumentaram 18%, para US$ 403 milhões em telecomunicações, e 15,4%, para US$ 306,9 milhões em informática.

Produção

A Abinee também agregou os dados da produção do setor no começo deste ano. Comparado com o primeiro bimestre de 2018, houve uma queda de 3,2% na produção física da indústria eletroeletrônica. A área elétrica registrou leve alta de 0,3%, enquanto a área eletrônica diminuiu em 6,5% a produção.

A retração na produção de bens eletrônicos foi influenciada pelas quedas de componentes eletrônicos (-9,6%) e equipamentos de áudio e vídeo (-9,4%). Também houve queda na produção e bens de informática (-4,8%) e equipamentos de comunicação (-2,9%).

Anterior Economia abre Rede Gov para órgãos públicos de estados e municípios
Próximos Corte no orçamento do MCTIC chega a 42%