Conexões à internet no país chegarão a 98 milhões em 2016, prevê a Cisco.


O número de conexões fixas à internet no mundo chegará a 3,4 bilhões, em 2016, quase metade da pupulação do planeta, pouco acima de 7 bilhões de pessoas. No Brasil, os acessos subirão de 61 milhões para 98 milhões. Os números apresentados nesta quarta-feira (30) pela Cisco, em Brasília, fazem parte do estudo Visual Netwirking Index (VNI), que prevê as tendências globais do crescimento da internet no mundo.

A previsão da Cisco é de que 83% do tráfego de consumidores de internet será gerado por PC em 2016 contra 96% em 2011. O consumo de internet por TV será de 9% em 2016, contra 1% em 2011.”O usuário médio de smartphone vai gerar 533 megabytes de dados móveis por mês em 2016 no país, contra 38 megabytes por mês em 2011”, aponta o diretor de operadoras da Cisco, Rodrigo Dienstman.

O estudo aponta também o tráfego médio móvel gerado por um computador laptop/notebook no país será de 9.680 Megabytes por mês em 2016, contra 1.435 Megabytes por mês em 2011. E o tráfego médio móvel gerado por um tablet será de 6.021 megabytes de dados móveis por mês em 2016, contra 336 megabytes por mês em 2011.

Segundo Dienstman, nenhuma rede fixa ou móvel poderá suportar o aumento do tráfego sozinha. “É preciso que haja complementariedade entre elas”, disse. Para superar a demanda por banda, ele prevê a necessidade de mais espectro, muitos investimentos, mais ações regulatórias e, acima de tudo, engenharias alternativas de redes.

Para Dienstman, o crescimento do tráfego por conexões Wi-Fi, que no Brasil deverá aumentar 17 vezes entre 2011 e 2016, atingindo 1.7 Exabytes por mês em 2016, contra 98 Exabytes por mês em 2011.  Em 2016, o tráfego fixo Wi-Fi será do mesmo tamanho do tráfego fixo cabeado, terá um papel preponderante nessa nova arquitetura. Ele imagina que serão necessárias células menores e distribuição rápida para as redes fixas, para atender a demanda.

Velocidade

O estudo da Cisco prevê o aumenta da velocidade média da banda larga no Brasil em 2,8 vezes entre 2011 e 2016, passando de 4,9 Mbps para 14 Mbps. “43% das conexões de banda larga serão mais rápidas do que 5 Mbps em 2016, um aumento em relação aos 30% de hoje, e 17% das conexões de banda larga serão mais velozes do que 10 Mbps em 2015, um aumento em relação aos 12% atuais”, afirma o diretor de Relações Governamentais da Cisco, Giuseppe Marrara.

Marrara ressalta que o levantamento aponta ainda o crescimento da velocidade média da conexão móvel em  11 vezes de 2011 a 2016, atingindo 1.997 kbps em 2016.

 

O estudo da baseia-se em análises detalhadas e modelagens de tráfego, utilização e dados de dispositivos, obtidos por meio de prognósticos de analistas independentes. A Cisco valida os prognósticos, as informações recebidas e a metodologia com dados de tráfego reais fornecidos voluntariamente por operadoras globais e mais de 1 milhão de consumidores no mundo todo.

 

Anterior Paulo Bernardo defende queda paulatina da assinatura básica da telefonia
Próximos Assinante de banda larga fixa da Vivo paga 50% menos na internet 3G