ConectarAGRO se torna oficialmente uma Associação


O que antes era um programa tocado em parceria por oito empresas deu origem a uma associação setorial. Foi anunciada hoje, 1º, a fundação da ConectarAGRO. A organização não tem fins lucrativos e a passa a ser aberta a novos integrantes, inclusive outras operadoras e fornecedores de equipamentos de telecomunicações.

No momento, a associação reúne os fundadores AGCO, Climate FieldView, CNH Industrial, Jacto, Nokia, Solinftec, TIM e Trimble. O objetivo será o mesmo do programa: promover a conectividade nas áreas rurais de todo o Brasil, elevando a produtividade do campo e a inclusão digital.

PUBLICIDADE

“Continuamos apoiando uma tecnologia aberta, acessível e simples, que conecta pessoas e máquinas, e que atenda às aplicações no campo da melhor maneira possível. E, a partir de agora, com o lançamento da Associação, poderemos chegar ainda mais longe com o apoio de novas empresas, de variadas áreas e diversos tamanhos, sejam elas multinacionais ou startups”, afirma Gregory Riordan, da CNH, escolhido para ser o primeiro presidente da Associação ConectarAGRO.

Desde o seu lançamento, na Agrishow de 2019, até dezembro do ano passado, o ConectarAGRO promoveu conectividade via banda larga 4G de 700 MHz para mais de 5,1 milhões de hectares de áreas rurais em todo o Brasil, sendo que mais da metade das propriedades tem até 100 ha. Até o momento, mais de 575 mil pessoas em áreas rurais, 218 cidades e oito estados diferentes se beneficiaram pelo projeto, assim como mais de 24 mil quilômetros de estradas e rodovias.

O programa também cobriu mais de 11,5 milhões de hectares com a plataforma Narrow Band IoT (NB-IoT), habilitada pela TIM. A tecnologia é fundamental para a conexão de máquinas e sensores agrícolas. Padrão adotado mundialmente para internet das coisas baseada em redes móveis, o NB-IoT pode ter cobertura 40% mais ampla que a tradicional, em relação ao uso de smartphones, além de consumir menos bateria.

Metas

Agora, mesmo com as limitações impostas pela Covid-19, a Associação estima ampliar conectividade para 13 milhões de hectares até 2021, incluindo projetos com cooperativas. “Ao mesmo tempo em que esse momento de pandemia traz grandes desafios para nossos planos de expansão, ele também serve como um imenso estímulo à digitalização e às ferramentas digitais, criando uma grande demanda pela conectividade que impulsionará os avanços de forma significativa quando a situação se normalizar”, diz Riordan.

Há também a previsão do desenvolvimento de outras iniciativas que apoiam o crescimento da solução promovida pelo ConectarAGRO, como o projeto educacional, voltado a qualificação das pessoas que vivem e trabalham no campo dentro de uma nova realidade digital.

“Sabemos que a conectividade muda a vida das pessoas. Ela pode transformar a eficiência do agronegócio, promover a inclusão digital para quem vive no campo, propiciar a integração logística nas vias de transporte e alavancar outros setores cujas atividades estão em áreas remotas”, finaliza o executivo.

Anterior Decreto regulamenta Análise de Impacto Regulatório das agências
Próximos Nilsson: Como o 3GPP está estabelecendo os padrões de segurança para um futuro com 5G