Compras públicas por pregão eletrônico têm economia de R$ 3 bilhões em 2013


 

O uso do pregão eletrônico nas compras públicas gerou uma economia de 18%, cerca de R$ 3 bilhões, aos cofres públicos, afirma a secretária de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Loreni Foresti. De acordo com ela, a modalidade foi utilizada em 90% dos processos licitatórios promovidos por órgãos do governo federal nas aquisições de medicamentos, livros, produtos alimentícios, veículos, notebooks e tablets.

 

No primeiro semestre de 2013, o pregão eletrônico respondeu por um gasto de R$ 14,4 bilhões. Ao comparar o uso da modalidade nesse ano com o mesmo período de 2012, os dados mostram um crescimento de 89% em valores monetários. Até junho de 2012, o valor dispendido nas aquisições realizadas por meio do pregão eletrônico foi de R$ 7,6 bilhões.

Já em relação ao número de certames licitatórios, a modalidade respondeu por 95% em 2013. O pregão eletrônico foi usado em 12,5 mil processos, o que demonstra um crescimento de 12% em relação aos seis primeiros meses de 2012.

Compras de TI

Segundo a SLTI, em 2013, foram realizados 1.365 (25%) processos para contratação de bens e serviços de Tecnologia da Informação (TI) por meio de pregão eletrônico. Em valores monetários, respondeu por 69% dessas aquisições, correspondendo a um gasto de R$ 1,1 bilhão. A economia gerada pelo uso da modalidade nessas aquisições foi da ordem de R$ 215,2 milhões (17%).

Os bens e serviços de TI mais adquiridos pelo governo federal entre janeiro e junho de 2013 foram notebooks e prestação de serviços de informática. Essas contratações corresponderam a gastos da ordem de R$ 236,7 milhões (29%) e R$ 225,2 milhões (30%), respectivamente.

Os dados citados são de um levantamento feito pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) no Sistema de Compras do Governo Federal (Comprasnet).(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Viagem de Dilma aos Estados Unidos será definida nesta semana
Próximos Marco Civil deve vir sem serviços prioritários, como querem as teles, mas com gerenciamento especializado.