Competição domina contribuições na consulta pública do Minicom


Das mais de mil contribuições à consulta pública feita pelo Minicom para estabelecer as bases de uma nova política de telecomunicações, a partir de 21 perguntas colocadas, 41% se relacionam à competição. Em segundo lugar no ranking vem a universalização (25%), seguida da gestão do espectro (12,5%), atendimento à área rural (4,5%), política industrial (4%) …

Das mais de mil contribuições à consulta pública feita pelo Minicom para estabelecer as bases de uma nova política de telecomunicações, a partir de 21 perguntas colocadas, 41% se relacionam à competição. Em segundo lugar no ranking vem a universalização (25%), seguida da gestão do espectro (12,5%), atendimento à área rural (4,5%), política industrial (4%) e outros 13 (13%).

A avaliação das contribuições foi apresentada por Roberto Pinto Martins, secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, que participou hoje pela manhã dos debates do 15º Encontro Tele.Síntese, realizado pela Momento Editorial em Brasília. De acordo com Martins, depois do trabalho de depuração das contribuições, será feita uma nova consulta pública, para permitir "uma espécie de réplica", ou seja, que a sociedade se manifeste sobre as visões dominantes sobre os principais temas colocados em discussão. Só a partir daí, serão definidas as diretrizes gerais do novo modelo de telecomunicações.

O eixo central desse novo modelo, na avaliação do secretário de Telecomunicações, já está praticamente consensado que é a banda larga. Até porque a substituição da comunicação pessoa a pessoa pelo do computador a computador, cada vez mais dominantes na sociedade com a troca eletrônica de informações, demanda muito mais largura de banda, da mesma forma que a oferta de serviços com imagens e vídeos.

"O que temos que discutir é como universalizar a banda larga? É estabelecer quais os serviços de educação, governo eletrônico, saúde, e até a própria voz, hoje ainda incipiente, que vão ser carregados por ela", afirmou. Respostas que o Minicom espera encontrar no encerramento da consulta pública.

Anterior Provedores de internet querem a separação estrutural
Próximos Espaço para pequenas e médias empresas é discutível