Comissão Europeia publica guia para acelerar expansão da banda larga na região


A Comissão Europeia publicou nesta quarta-feira (24) um guia para ajudar governos locais a investir no desenvolvimento da banda larga. O manual traz orientações sobre como o setor público pode implantar projetos de conexão rápida usando recursos de fundos estruturantes da União Europeia.

O guia traz informações de como criar projetos com visão de longo prazo, modelos de investimento possíveis e as ferramentas de financiamento disponíveis. Propõe, ainda, que as redes sejam criadas com gestão participativa dos cidadãos beneficiados, colaboração entre cidades e estados para distribuir melhor os custos.

Segundo dados da Comissão, entre 2007 e 2012, mais de 5 milhões de pessoas obtiveram acesso à internet na UE a partir do financiamento de infraestrutura por Fundos Estruturais. A região hoje tem quase 100% de disponibilidade da banda larga em todo seu território. Mas, segundo o comissário Johannes Han, responsável por políticas regionais, mais precisa ser feito. “As conexões de próxima geração se concentram nas zonas urbanas. Em 2012, 9,1 milhões de casas na UE não tinham banda larga fixa, e 90% destas residências estavam na zuna rural”, diz. No campo, apenas 12% dos domicílios têm acesso à internet rápida.

Dinheiro para a agenda digital
Também hoje a vice-presidente da Comissão Europeia, Neelie Kroes, discursou pedindo que os investimentos da União Europeia se concentrem na área de digital, em smart cities e banda larga principalmente. “O Programa de Financiamento Estrutural Europeu de 2014-2020 acaba de ser iniciado com pelo menos 800 bilhões de euros que serão destinados para ampliar nossa competitividade, qualidade de vida, diminuir a desigualdade entre as diferentes regiões da Europa e melhorar sua infraestrutura. O investimento digital deve estar no centro destes gastos”, pediu.

Este é o último ano de Neelie como integrante do comando da CE. Ela lembrou que o novo presidente da Comissão já propôs criar empregos a partir de um pacote de investimento de 300 bilhões de euros nas áreas de tecnologia da informação e das comunicações, energia e infraestrutura de transporte. Com isso, a região prevê que parte dos cerca de 1,1 trilhão de euros em investimentos no próximo quinquênio abarquem a área digital.

Aqui no Brasil, o investimento em banda larga também faz parte da agenda política do país. Dilma Roussef, candidata do PT à reeleição, promete ampliar a infraestrutura de fibra óptica no país, alcançando 90% dos municípios nos próximos quatro anos. Pretende fazer isso a partir de uma lei de universalização da banda larga. Marina Silva, do PSB, também promete universalizar a banda larga, mas não detalha como faria isto caso eleita.

Anterior Blackberry tenta recuperar mercado corporativo com novo celular
Próximos Alcatel-Lucent desenvolve sistema de transporte 200G