Comércio eletrônico fatura R$ 8,4 bilhões no 1º semestre de 2011


O comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 8,4 bilhões no primeiro semestre de 2011, superando os R$ 8,2 bilhões registrados durante todo o ano de 2008. Os dados constam da 24ª edição do relatório “WebShoppers”, realizado pela e-bit, com o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net).

Segundo o levantamento, a novidade nesse ano é a entrada da baixa renda no canal é um deles. Dados divulgados recentemente pela e-bit comprovaram que 61% dos novos entrantes no comércio eletrônico brasileiro entre Janeiro e Junho de 2011 possuíam renda familiar de até R$ 3 mil.

As compras pela rede são basicamente de “eletrodomésticos”, que ficou com 13% do volume total de pedidos, seguida de perto por “informática”, com 12% e “saúde, beleza e medicamentos”, com 11%. A categoria “livros e assinaturas de revistas e jornais”, que, historicamente liderou o setor, caiu para a 4ª colocação do ranking, com 8%.  “Equipamentos eletrônicos” ficaram na quinta colocação, com 6%.

Pelas previsões da e-bit, na segunda metade de 2011, as vendas online no Brasil devem continuar crescendo, apesar da instabilidade econômica que vem afetando os mercados mundiais. Historicamente, diz a empresa 55% das vendas anuais pertencem ao período entre 1º de Julho e 31 de dezembro, o que deve significar um faturamento total de R$ 10,3 bilhões em vendas durante a segunda parte do ano (excluindo compras coletivas, venda de automóveis, passagens aéreas e sites de leilão virtual).

Ao se confirmar essa previsão, o comércio eletrônico deve apresentar um faturamento de R$ 18,7 bilhões ao final do ano, o que representaria um acréscimo nominal em torno de 26% em relação a 2010, quando o setor faturou R$14,8 bilhões.(Da redação)

Anterior Banda larga: setor teme efeito de exigências excessivas de qualidade
Próximos Incentivo à banda larga popular custa 75 centavos/mês por usuário em São Paulo