Com integração em sistemas NEC, A10 espera ampliar em 30% receitas na AL


Em novembro as empresas A10 Networks e a NEC anunciaram uma parceria. Pelo acordo, a norte-americana passaria a ser uma das fornecedoras para os sistemas de infraestrutura da japonesa em 5G, pré-5G e virtualização de funções de rede (NFV).

O acordo, que não tem prazo para ser encerrado segundo executivos de ambas as empresas, deve trazer resultados no Brasil e América Latina. Bruna Wells, diretora de canais para da A10 Networks para a região tem grandes expectativas. Segundo ela, “o potencial é de aumento de 30% nas receitas neste ano na região”.

No mundo, a companhia faturou em 2018 US$ 232 milhões. Cresce 7% ao ano, em média, desde 2014. A América Latina ainda é pouco representativa, e correspondeu a menos de 4% desse total. Com a parceria, Wells espera expansão de contratos no segmento das operadoras.

Além da NEC, também Ericsson, Lenovo, TechMahindra, VMWare e RedHat revendem tecnologias da A10, que produz software e hardware para segurança de redes de alta capacidade.

A NEC, por sua vez, diz que a parceria torna suas ofertas mais completas. A visão da gigante japonesa, que desde 2014 tem um modelo de negócios mais baseado na integração de tecnologias do que venda exclusiva de sistemas proprietários, é que a expansão do seu ecossistema de fornecedores facilita a venda de projetos mais complexos e o crescimento em novas verticais.

“Os produtos são complementares e nos permitirá fazer ofertas mais completas no setor bancário ou no varejo, que têm infraestrutura também complexa”, explica Hiroko Ashida, especialista sênior de desenvolvimento de negócios para provedores de serviços.

Desde a assinatura do acordo houve um contrato fechado com um data center na região. As empresas não revelam o nome, por enquanto. A parceria prevê a revenda de soluções em 5G (5G-GiLAN), segurança (proteção DDoS, firewall GTP) entrega de aplicações (ADC) e balanceamento de carga (load balancer), SDN e NFV.

Anterior Brasil perde mais de 2,5 milhões de linhas fixas em 12 meses
Próximos Viana: pré-conectorização vai acelerar a implantação do FTTH