Com ajuda do MiniCom, teles avançam acordos com estádios.


O Ministério das Comunicações está intermediando os acertos entre operadoras e estádios, para assegurar a instalação de antenas indoor nas novas arenas. Segundo o secretário executivo do MiniCom, Cezar Alvarez, que participou de reunião nesta terça-feira (26) no Ministério do Esporte, os acordos estão avançando e há ainda indefinições apenas em Belo Horizonte, entre as seis cidades-sedes da Copa das Confederações.

O impasse vinha ocorrendo há cerca de três meses, segundo relato das operadoras, que não queriam aceitar as imposições de patrocínio das empresas que vão explorar os estádios. De acordo com Alvarez a participação do governo nessa negociação atende ao interesse já expresso pelo ministro Paulo Bernardo, de que seja oferecido serviço de qualidade aos cidadãos que assistirão aos jogos. “Mas isso não faz parte do entendimento com a Fifa nas questões relativas às telecomunicações”, frisou.

Segundo Alvarez, as antenas que serão instaladas servirão paras as tecnologias 2G e 3G, além da 4G que, de acordo com sua avaliação, atenderão a 10% a 15% dos usuários de LTE que funcionam na frequência de 2,5 GHz. Sobre as obrigações da Telebras, ele disse que a preocupação é de levar a rede de alta capacidade para dentro dos estádios e afirmou que os entendimentos estão avançando.”As redes de broadcasting precisam ficar prontas até 15 de abril porque a Fifa quer fazer 30 dias de testes”,afirmou.

Teles

De acordo com o diretor do SindiTelebrasil, que representa as teles, Eduardo Levy, o acordo comercial com Belo Horizonte está emperrado porque o que a administração está cobrando de aluguel pelo espaço é muito caro e as operadoras, que vão compartilhar os equipamentos, não querem aceitar. Mas afirmou que no Rio de Janeiro e em Recife, as questões também estão difíceis. “Nesses três estados a luz vermelha está acessa”, disse.

No Rio, o problema é o atraso das obras do entorno do estádio, enquanto que em Recife, a dificuldade é o acesso à sala de infraestrutura. O espaço necessário para instalação dos equipamentos é de 200 metros quadrados. Levy disse que as operadoras não têm obrigação de instalar antenas indoor nos estádios e está fazendo isso em busca de um serviço maior. “Se não houver avanços rápidos nessas três arenas, elas ficarão sem essa cobertura”, alertou Levy.

Nas arenas de Brasília, Salvador e Fortaleza os acertos já estão caminhando. Porém, a questão que pesa é o prazo para instalação das antenas que, segundo Levy, é de 120 dias, o tempo que falta para começar a Copa das Confederações, marcada para o dia 15 de junho. A Claro, TIM, Oi, Vivo e Nextel vão compartilhar a infraestrutura nas arenas.

Anterior NICE Mobile Reach é escolhido como solução móvel de atendimento ao cliente da Telefónica
Próximos MWC: Alcatel-Lucent projeta crescer até 8% na América Latina este ano.