Colômbia monta PPP para universalizar banda larga


Parceria público-privada, isenção de impostos e subsídios diretos para as famílias de baixa renda compõem as principais medidas que estão sendo adotadas pela Colômbia para fazer a banda larga avançar no país. As metas estabelecidas para 2014 preveem elevar a penetração de banda larga para 50% dos domicílios, contra 27% em 2010, e 50% das pequenas e médias empresas, contra 7% naquele ano.

O plano de digitalização da Colômbia foi apresentado hoje, durante o Futurecom 2011, que se realiza em São Paulo, pelo seu ministro das Comunicações, Diego Molano Vega. Em quatro anos, o objetivo é ampliar a cobertura da banda larga de 200 para 900 municípios, onde vivem 90% da população.
Para levar a rede de fibra óptica a todos esses municípios, Molano contou que o governo federal fez uma licitação para escolher os parceiros privados, que serão conhecidos ainda este mês. “Eles vão bancar 2/3 dos investimentos e o Estado entrará com 1/3”, explicou.

Outra medida de estímulo, a exemplo do que acontece no Brasil, é a desoneração do imposto de comercialização (IVA) dos computadores, que segundo o ministro colombiano é uma das maiores barreiras ao acesso à internet pelas famílias colombianas. A mesma medida deverá ser estendida a outros equipamentos terminais, como tablets. O plano de banda larga prevê, também, subsídio direto para famílias de baixa renda.

 

Inovação

Segundo Diego Molano, o atual governo do presidente Santos está comprometido em levar a Colômbia para um novo patamar de uso das tecnologias de informação e comunicação. Tanto que levou ao Congresso um projeto de lei, aprovado recentemente, que destina a aplicação de 10% das receitas do país com exportação na área de ciência e tecnologia a partir de janeiro de 2012.

Outro ponto importante do plano colombiano é o apoio do governo ao desenvolvimento de aplicações para as pequenas e médias empresas, que ajudem em sua produtividade e no desenvolvimento de seu negócio, em qualquer segmento de mercado. “Se estamos falando de um plantador de batata ou cebola, as aplicações vão ajudá-lo a desenvolver melhor o cultivo e a comercialização de seus produtos”, exemplificou. Este ano o governo da Colômbia está aplicando US$ 30 milhões para o desenvolvimento de aplicações junto com parceiros privados.

Anterior Dilma deve aprovar hoje PLC 116 sem vetos
Próximos Valim quer Oi subsidiando celulares e tablets