Cobertura móvel nos estádios da Copa preocupa senadores


A Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado aprovou uma série de medidas, nesta terça-feira (13), para obrigar que  as operadoras de telecomunicações instalem infraestrutura de wi-fi em todos os estádios onde acontecerão jogos da Copa do Mundo. Não descarta inclusive buscar uma solução na justiça  e cobrar providências imediatas do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que já admitiu a deficiência da internet móvel nas arenas de Fortaleza, Recife, Natal, São Paulo, Minas Gerais e Paraná. As teles, entretanto, ressaltam que a responsabilidade pelo wi-fi é dos donos dos estádios, que até podem explorar o serviço comercialmente.

De acordo com o diretor-executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, há muita desinformação sobre a questão. Ele afirma que todas as operadoras do mundo procuram instalar infraestrutura de off-load onde há concentração de tráfego na rede móvel. E foi isso que as empresas procuraram fazer nos estádios, instalar wi-fi para melhorar o escoamento do tráfego. Mas nem todos os donos de estádios concordaram com a medida. “Não é obrigação das operadoras, mas elas estão dispostas a oferecer o wi-fi, porém é preciso que faça sentido, inclusive economicamente”, ressaltou.

Levy disse que a infraestrutura de wi-fi pode ser instalada pelos donos das arenas, inclusive para explorar comercialmente o serviço, como defendia os administradores dos estádios de Minas Gerais e de São Paulo. “Esse serviço usa frequência que não necessita de autorização, ao contrário do serviço móvel, que depende de outorga do governo”, destacou. Nos seis outros estádios da Copa, já há acordo com as operadoras para instalação do wi-fi (Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Manaus).

O presidente da CCT, senador Zezé Perrella (PDT-MG), chegou a afirmar, na reunião de hoje, que no caso do Mineirão, o que impediu a instalação das antenas foi o fato de os administradores do estádio quererem cobrar das empresas R$ 10 mil por mês pelo aluguel de um espaço, em vez dos R$ 2 mil oferecidos. “O que representa R$ 8 mil para essas empresas que faturam bilhões?”, questionou o parlamentar. Ele defendeu que uma representação da comissão procure o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, para exigir a cobertura completa nas arenas.

O senador Anibal Diniz (PT-AC) sugeriu que a CCT entre com uma representação junto ao Ministério Público Federal para que as operadoras sejam obrigadas, sob pena de multa, a instalar as antenas. “Faltam menos de 30 dias para o início da Copa e por isso temos que tomar uma providência no sentido de fazer com que a justiça aja liminarmente de maneira muito ágil para garantir a cobertura móvel eficiente em todos os estádios”, disse.

Já na próxima semana, a CCT decidiu participar da audiência pública, já convocada pela Comissão de Meio Ambiente, para tratar da qualidade dos serviços de telefonia, com a presença dos presidentes das empresas de telecomunicações e da Anatel, para também debater a questão da cobertura dos estádios.  Possivelmente a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) também comandará  as discussões. O ministro Paulo Bernardo deverá ser convidado  para o debate.

Anterior Mercado italiano provoca queda de lucro, receita e Ebitda da Telecom Italia no trimestre
Próximos Telefônica deverá ressarcir usuário por demora no corte da tarifa