Cloud Computing estará no plano estratégico de software do MCTI


O Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação pretende incluir o cloud computing no planejamento estratégico de software e serviço que será divulgado em breve, informou hoje o secretário de Política de Informática, Virgilio Almeida. Segundo ele, o governo federal deve começar a usar esta tecnologia visando não apenas economizar com os recursos computacionais, mas também estimular a indústria nacional de software.

Para o secretário, alguns desafios precisam ser ultrapassados para que o cloud computing possa ser adotado em larga escala pelo governo federal. Entre eles está a definição de padrões que assegurem a portabilidade na aplicação e nos dados. “A estratégia deve ser preservar o direito do usuário e do cidadão, através da proteção de seus dados”, assinalou

Soberania

Uma das discussões que são travadas em todo o mundo quando se trata da “computação em nuvem” refere-se à soberania dos dados. É importante que os dados do governo brasileiro fiquem em servidores no Brasil, ou não? Esta é uma pergunta que, segundo o professor Paulo Feldman, da Fia (Fundação Instituto Administração da USP) divide muito as opiniões. Há quem defenda, por exemplo,que o mais importante não é saber onde os dados estão, mas quem tem acesso a eles.

Pesquisa da Frost& Sullivan apresentada no debate mostra que as empresas instaladas no Brasil já são grandes consumidores de computação na nuvens – 54% delas afirmam usar algum tipo de serviço na nuvem, mas a maioria tem seu provedor de serviço localizado em Miami. Para Lynda Stadmueller, da consultoria, o Brasil precisa atuar para trazer para cá grandes provedores de cloud. E a pesquisa realizada pela consultoria não mostra números muito animdores. Até 2015 os investidores que pensam em criar seus data centers na América Latina preferem investir no Chile (12,4%), na Argentina (10,5%) e apenas 9,6% no Brasil.

Um dos problemas centrais apontados são a infraestrutura elétrica e de banda larga brasileira. A energia é muito cara, e ela representa 60% dos custos de um data center. A banda larga também deixa a desejar, alertaram os participantes do evento.

Anterior Operadoras precisam se adaptar às mudanças de hábito dos consumidores
Próximos Instituto Claro cria programa para universitários de ciências exatas