Clearwire prefere a oferta da Sprint, e não a da Dish


A Clearwire, operadora de rede de atacado norte-americana, (que não conseguiu tocar o projeto de banda larga pela tecnologia WiMax), informou à SEC (Securities and Exchange Comission) que a oferta de compra feita pela  Sprint era melhor para os acionistas minoritária e que iria recomendar a conclusão do negócio na reunião do dia 21 de …

A Clearwire, operadora de rede de atacado norte-americana, (que não conseguiu tocar o projeto de banda larga pela tecnologia WiMax), informou à SEC (Securities and Exchange Comission) que a oferta de compra feita pela  Sprint era melhor para os acionistas minoritária e que iria recomendar a conclusão do negócio na reunião do dia 21 de maio.

 

A Sprint  é a acionista majoritária da operadora, e quer comprar o restante das ações. Fez uma oferta de US$ 2,2 bilhões (US$ 2,97 por ação) em dezembro passado. Mas a operadora de TV via satélite, a Dish Network, fez uma contra-proposta de US$ 2,3 bihões ( US$ 3,3 por ação) em janeiro.

 

A Clarwire entendeu, no entanto, que a venda para uma terceira empresa não é possível de ser feita devido ao acordo der acionistas. Além disso, a operadora afirma que não recebeu proposta para os seus US$ 47 bilhões de MHz/pop de frequência acima de R$ 0,21 pop oferecidos pela Sprint.

 

Há um outro complicador: a Dish resolveu fazer uma oferta hostil para a própria Sprint, por US$ 25,5 bilhões, contra uma oferta do grupo japonês SoftBank, de US$ 20,1 bilhão. ( Da redação, com agências internacionais).



Anterior Cobertura 3G pode ser antecipada com leilão da faixa de 700 MHz
Próximos 33º Encontro Tele.Síntese