Classes C/D já são maioria entre os assinantes de TV paga


 

Não é sem razão que programadores, produtores e operadoras querem ampliar as pesquisas de opinião  e de análise de comportamento da nova classe média brasileira. O fato é que as classes C e D já formam o maior número de assinantes da TV paga brasileira. Segundo Giani Scarin, gerente de pesquisas da Globosat, o serviço de TV por assinatura atinge hoje 54,40 milhões de telespectadores residenciais. E os clientes da classe CD já são maioria: representam 27,262 milhões. “A classe C é o motor do crescimento da TV por assinatura no Brasil”, afirmou a executiva.

 

Conforme os números apresntados no Congresso ABTA 2013, nos últimos cinco anos (2009 a 2013), enquanto o número de assinantes das classes AB aumentou 69%,  o das classes CD cresceu 398%. Para Giani, este novo público traz novos desafios não apenas para as programadoras, mas também nas metodologias de aferição da audiência.

 

Ibope

 

Embora a tônica seja o mundo conectado e compartilhado, não custa lembrar que o telespectador brasileiro ainda prefere a mída off line à on line. Conforme  Juliana Sawaia, gerente de Learning& Insights do Ibope Media, 92% dos brasileiros ainda assitem à TV off line (ou seja, a TV linear, seja aberta o paga) e 6% assistem à TV off line e à TV on line. “Mas no Brasil há zero por cento de cliente para a  TV on line sozinha”, afirmou.

 

No caso da leitura de jornal, esta realidade já é diferente, observou a executiva.  9% dos leitores só leem jornais online, e 24% que só leem off line. Outros 55% leem os jornais tanto de maneira on line como off line (no papel).

Anterior Peso de dados na receita total das operadoras no Brasil está abaixo da média na América Latina
Próximos Setor de TV paga quer apenas pequenos ajustes nas regras do SeAC