Claro tem Ebitda maior, margem menor.


No primeiro trimestre de 2006, a base de clientes e a receita gerada pela operação da Claro (Telecom Américas) no Brasil aumentaram em relação ao último trimestre do ano passado, enquanto a margem declinou, de acordo com informações da controladora América Móvil divulgadas ontem à noite, 2 de maio. A base de assinantes totalizou 19,5 milhões (pouco mais de 19% do número total de clientes do serviço móvel da controladora), com expansão de 4% em comparação com o 4T05, e de 36% em relação ao 1T05. A operadora teve 787 mil adições líquidas nos primeiros três meses deste ano, 24% a mais do que em igual período de 2005.

O faturamento da Claro neste início de ano foi de R$ 1,5 bilhão, com crescimento de 7% sobre o mesmo período do ano passado. O Ebitda (ganhos antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 233 milhões aumentou 155% sobre o resultado do 1T05, enquanto a margem passou de 6,5% no primeiro trimestre de 2005 para 15,6% no primeiro trimestre de 2006.

Já o Ebit (lucro antes de juros e impostos) – ou lucro operacional – foi negativo em R$ 161 milhões, 37% a menos do que o resultado negativo do 1T05, de R$ 257 milhões. Conseqüentemente, a margem Ebit, de 18% negativos no ano passado, evoluiu para 11% negativos.

Dados da operação

Quanto aos principais indicadores operacionais do primeiro trimestre de 2006, receita por cliente e minutos de uso diminuíram, a base total aumentou, mas a pré-paga cresceu mais do que a pós. Os 16,2 milhões de clientes pré-pagos (+ 39% do que no 1T05) representavam 84% do número total de assinantes Claro no primeiro trimestre. A base pós-paga da operadora aumentou 24% na comparação entre os dois primeiros trimestres.

Os minutos de uso diminuíram 21% no 1T06, e a receita média por assinante (Arpu), de R$ 23,00, caiu 12%.

Anterior No mercado, o Claro Player.
Próximos Telecom Itália desiste do acordo de fusão com a BrTGSM