Claro puxa faturamento da SAS Institute no Brasil, que avançou 30% em 2011


O SAS Institute encerrou 2011 com um faturamento recorde mundial de US$ 2,7 bilhões, com alta de 12% em relação a 2010, e no Brasil, a empresa também bateu recorde em vendas de novas licenças, superando sua meta com um crescimento de 30% no ano. “Ano passado, tivemos um crescimento forte de novo com o segmento de telecomunicações, uma vez que conquistamos a Claro, única operadora brasileira que ainda não era cliente do SAS”, afirmou Márcio Dobal, presidente da companhia de TI para o Cone Sul, durante encontro com jornalistas nesta quinta-feira (1º) em São Paulo.

 

Para 2012, a empresa manteve sua meta “conservadora” de crescer mais 20%, apostando em sua nova solução de prevenção de fraudes, que atende toda a gama de clientes do SAS, desde o mercado financeiro – que representa 45% da receita da companhia no país – passando por telecom, varejo e governo. Este último segmento é um importante foco para a companhia no Brasil, e “tem uma boa chance” de atingir o segundo lugar em importância para a receita do SAS ainda este ano, superando o setor de telecomunicações, que hoje representa 20% de seu faturamento no país.

PUBLICIDADE

 

“No mundo, governo é o segundo maior mercado do SAS. No Brasil ainda não é, mas estamos chegando lá”, disse Dobal, que aposta em sua solução anti-fraude como uma importante demanda deste segmento. “Fraude ainda vende pouco no Brasil, mas há muito potencial. Estou botando bastante fé na capacidade de vendas de nossas soluções de fraude, tanto que estamos contratando muitos especialistas nesse setor”. A expectativa de Dobal é consolidar o primeiro projeto da subsidiária brasileira na área e completar dois grandes projetos também relacionados a fraude até o final do ano.

 

Outro foco da empresa será sua solução de gestão de campanhas e perfilamento de clientes, que foi um dos destaques de vendas em 2011, junto com suas soluções de análise de risco. Novas licenças de software representaram 30% da receita do SAS no ano passado (o resto viria das renovações anuais, para as quais a empresa tem uma taxa média de 98%).

 

O SAS Brasil também inaugurou em 2011 uma unidade para atender a pequenas e médias empresas, que trouxe 30 novos clientes com contratos de entre R$ 30 e 100 mil para a empresa. Atualmente, o SAS tem 180 clientes no país, entre eles o Ministério de Desenvolvimento, Pão de Açúcar, B2W, Redecard, além das quatro maiores operadoras de celular.

Anterior Mobile World Congress termina com recorde de público
Próximos SAS espera condições favoráveis para abrir centro de desenvolvimento no Brasil