Claro incorpora a marca NET, que deixa de ser independente


A partir de hoje, todos os serviços oferecidos pela NET passam a ser vendidos como Claro ou Claro NET. O termo NET passa a designar apenas produtos voltados ao segmento residencial. A medida faz parte da estratégia da Claro Brasil de reduzir a quantidade de marcas apenas ao nome Claro.

Os serviços para pequenas e médias empresas prestados pela NET passam a ser chamados Claro Empresas. Enquanto o NET Vírtua agora se chama Claro NET Vírtua e a TV paga, Claro NET TV. Ao mesmo tempo, o programa de benefícios da Claro passa a valer para quem era assinante NET, mas não tinha celular da operadora.

A tele já atualizou todas as suas comunicações online e passou a veicular um vídeo publicitário para informar sobre a integração. A empresa não diz, no entanto, quando pretende deixar de usar definitivamente a marca NET. Em sua página na internet, afirma que a marca não deixará de existir.

Processo semelhante deve se dar com a Embratel. No entanto, por enquanto, a marca segue independe, embora alguns de seus serviços tenham passado a ser oferecidos dentro da Claro Empresas. A Embratel segue como marca independente com foco na integração de serviços de telecomunicações, cibersegurança, nuvem e TI para o mercado corporativo.

“A Claro passa agora a deter também a liderança em TV por assinatura e banda larga no país. Ao concentrar os investimentos e atuação mercadológica, fica ainda maior e mais forte, com presença global e portfólio completo de serviços”, diz em nota o presidente da Claro, José Antônio Félix.

Reforço de posicionamento

A Claro e a NET fazem parte da mesma empresa desde 2015. Antes disso, em 2011, haviam lançado o Combo Multi, oferta integrada de serviços das duas marcas. Segundo a empresa, a consolidação de toda a oferta de serviços na marca Claro é um movimento alinhado às tendências tecnológicas apontadas para o setor.

“É uma Claro muito mais completa, que oferece a melhor conectividade ao cliente, na fibra e no 4.5G. Que permite falar ou navegar, dentro ou fora de casa, no Brasil ou no exterior. E leva o melhor conteúdo para todas as telas”, afirma Paulo Cesar Teixeira, CEO da unidade de Consumo e PME da Claro.

A Claro e a NET passaram a vender combos ainda em 2011, como empresas separadas, embora tivessem a América Móvil como principal acionista. Em 2015, a Claro e NET uniram as operações, mas ainda mantinham marcas independentes.

Anterior Comissão da Câmara adia votação de projeto que veta franquia na banda larga fixa
Próximos Oi diz que ainda não procura banco para fazer novo aumento de capital