Claro faz primeiro teste externo com LTE Advanced na faixa de 700 MHz


Carlos Zenteno, da Claro, André Figueiredo, do Minicom, João Rezende, da Anatel, e Andre Sarcineli, da América Móvil (Foto de Marco Cardoso, divulgação)
Carlos Zenteno, da Claro, André Figueiredo, do Minicom, João Rezende, da Anatel, e Andre Sarcineli, da América Móvil (Foto de Marco Cardoso, divulgação)

Rio Verde – A Claro apresentou hoje, 15, em Rio Verde, os primeiros testes com a tecnologia 4,5 GHz, a LTE Advanced, que oferece uma velocidade de internet de até 300m Mbps. A novidade desses testes é que a empresa utilizou a tecnologia de “carrier agregation”,  usando conjuntamente o espectro de 2,5 GHz, 1,8 GHz e a de 700 MHz para oferecer mais capacidade na transmissão de dados e com os testes em campo, não mais em laboratório.

Segundo o presidente da Claro, Carlos Zenteno, a operadora, que foi a primeira a lançar comercialmente a 4G na cidade de Campos do Jordão (SP), é também a primeira a sair na frente com a 4,5 G. “ O Brasil passa a ser o primeiro país da América Latina que faz os testes com LTE Advanced com todas as frequências disponíveis”, afirmou o executivo.

Para esses testes na cidade de Rio Verde – cidade emblemática, porque vai ser a primeira a ter a liberação do espectro de 700 MHz para a banda larga, data que foi adiada para 15 de fevereiro- a Claro está usando os 20 MHz de sua frequência de 2,5 GHz, 10 MHz da faixa de 1,8 GHz e 5 MHz na de 700 MHz. “A LTE por si só pode ser usada em qualquer frequência, mas quando se agrega ativos de frequências em rodovias de várias pistas, torna-se bem relevante para a capilaridade”, afirmou o diretor de rede da empresa, André Sarcinelli.

O presidente da Anatel, João Rezende, que também participou do evento, assinalou que, se o Brasil ficou atrasado na adoção da tecnologia 3G, lidera a adoção da 4G.

Conforme Zenteno, todas as frequências são necessárias para atender ao avanço do consumo de dados. “Estamos registrando um crescimento anual de 46% de consumo de dados. É uma necessidade o Brasil ter frequência para entregar a melhor qualidade para todos”,  afirmou, frisando  que as operadoras celular continuam contanto com a integral limpeza da faixa de 700 MHz (com a saída dos canais das TVs analógicas) até o final de 2018.

A jornalista viajou a convite da Claro.

Anterior PF cumpre mandado de busca e apreensão na casa de Pansera, do MCTI
Próximos PROTESTE quer velocidade média da banda larga na fatura