Claro e Ericsson demonstram protótipo de rede 5G


shutterstock_Natali Glado_abstrata_radiodifusao_geral_frequenciaPara provocar o debate sobre as frequências que precisarão ser definidas para a tecnologia 5G, a Claro e a Ericsson realizaram hoje (17), no stand da Ericsson no Futurecom, uma demonstração de um protótipo de rede 5G. Na demonstração, atingiu-se velocidade de transmissão entre 4,5 Gbps e 5 Gbps, quando no LTE a velocidade média é de 120 Mps e no LTE Advanced chega a 280 Mbps, e latência inferior a um milissegundo.

Para fazer a demonstração, a Ericsson usou frequência de 15 MHz e quatro portadoras de 100 MHz cada agregadas. Uma estação radiobase e servidor de vídeo transmitiram para outra estação onde quatro notebooks decodificaram os vídeos e os transmitiram para quatro painéis onde foram projetados em 4k. A aplicação de vídeo foi escolhida, de acordo com Eduardo Ricota, diretor da Ericsson, porque o objetivo era a demonstração da conectividade.

Segundo André Sarcinelli, diretor de Engenharia da América Móvel, o objetivo desse trabalho conjunto com a Ericsson, a exemplo do que foi feito com as outras gerações de tecnologia, é acompanhar o desenvolvimento para poder fazer um bom planejamento de rede. Ele lembrou que a tecnologia 5G ainda está em fase de padronização, inclusive de faixas de espectro – as faixas de 15 GHz e de 28 GHz são as cogitadas –, e que é preciso que o Brasil comece a discutir a questão do espectro. “Regulador e mercado precisam colocar o tema na mesa”, afirmou.

Na opinião de Sarcinelli, a 5G não será uma tecnologia que virá para substituir a 4G, mas será uma tecnologia para atender nichos de mercado, especialmente o mercado corporativo que precisa de melhor cobertura, aplicações específicas como as de Internet das Coisas que demandam maior velocidade de menor latência e outras aplicações que forem identificadas.

Anterior Telefonia móvel continuou a encolher em agosto
Próximos Kassab diz que migração da TV digital no DF pode atrasar

1 Comment

  1. Vagner Ornelas
    18 de outubro de 2016

    Ainda temos um longo caminho a percorrer com o 4G, que vai ganhar um “plus” em cobertura com o fim da tv analógica.